Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Constipação: saiba o que fazer se for atingido por este “fruto da época”

Constipação: saiba o que fazer se for atingido por este “fruto da época”

É normal ter duas a cinco constipações por ano; as crianças têm mais, sobretudo se frequentam a escola ou o infantário.

Pinterest Google+
PUB

A constipação é uma infeção das vias respiratórias superiores (nariz, garganta, cordas vocais). É uma doença contagiosa, que se transmite de pessoa para pessoa, através do contacto com as gotículas respiratórias, diretamente através da tosse ou dos espirros ou através das mãos e objetos contaminados. As constipações são mais comuns durante os meses de outono e inverno e são infeções autolimitadas (ou seja, resolvem espontaneamente sem necessitar de medicação específica). É normal ter duas a cinco constipações por ano; as crianças têm mais, sobretudo se frequentam a escola ou o infantário.

 

Qual é a causa?

As constipações são causadas por vírus. Há uma enorme variedade de vírus que podem causar esta doença, na ordem das centenas, pelo que na maior parte das vezes não é possível saber qual é o vírus responsável. No entanto, o importante é aliviar os sintomas e não tratar o vírus em si.

 

VEJA TAMBÉM: SAÚDE DA MULHER: ATIVIDADES PREVENTIVAS

 

Quais são os sintomas?

Os sintomas podem ser variados, dependendo da região das vias respiratórias superiores mais afetada pelo vírus. Os mais comuns são a congestão nasal, muco nasal (transparente ou amarelado), dor de cabeça, dor de garganta, lacrimejo, tosse e febre baixa. Podem ocorrer isoladamente ou em simultâneo.

 

Qual a duração esperada da doença?

As constipações duram, em média, 7 a 10 dias, mas é variável de pessoa para pessoa. Geralmente curam sem tratamento dentro de poucos dias. O sintoma mais prolongado é geralmente a tosse, que pode persistir até 3 semanas.

 

Como tratar a constipação?

  • O principal objetivo é aliviar os sintomas e prevenir possíveis complicações
  • Descanse e cuide-se (evite o frio, molhar-se ou cansar-se).
  • Não fume. Se é fumador, esta é uma grande oportunidade para deixar de fumar.
  • Beba com frequência água e infusões (aliviam a dor de garganta e a tosse seca). Não beba álcool.
  • Inspire vapores de água. Ajudam a amolecer as mucosidades. Faça com frequência lavagem nasal com soro fisiológico ou água do mar no nariz.
  • Para parar a dor de cabeça ou a febre: pode tomar paracetamol. A dose para os adultos é de 1000 mg a cada 8 h e a das crianças é de 10 mg/kg de peso a cada 8h (equivale a 0,25 ml/kg, da apresentação em xarope).
  • Para a irritação da garganta, pode chupar rebuçados sem açúcar. Beber líquidos mornos.
  • Lave com frequência as mãos e utilize lenços de papel para evitar contagiar os outros.
  • Se possível, areje diariamente a casa/espaço.
  • Lembre-se que os antibióticos não curam a constipação, pois não são eficazes para tratar vírus! Não há vacinas para a constipação; a vacina da gripe previne a gripe, mas não a constipação comum.

Como prevenir as constipações?

Têm maior risco de ter constipações as pessoas que contactam com crianças pequenas, pois estas habitualmente ficam mais vezes constipadas. Da mesma forma, as pessoas que estão malnutridas, stressadas ou tristes, que fumam, ou que sofrem de rinite alérgica têm maior probabilidade de ficarem constipadas. Tenha um estilo de vida saudável e cuide de si.

 

Tendo em conta que as mãos são o veículo de maior importância na propagação dos vírus responsáveis pelas constipações, a lavagem das mãos é a medida mais importante para prevenir a doença.

 

É igualmente importante, quando está constipado, tossir e espirrar para um lenço de papel ou para o cotovelo e evitar tocar com as mãos nos olhos, nariz ou boca, para evitar contagiar outras pessoas.

 

Quando contactar um médico?

  • Se sofre de alguma doença brônquica (asma, bronquite crónica, etc.).
  • Se tem algum sintoma diferente dos descritos (nomeadamente dor no peito, dificuldade em respirar, ou outros).
  • Se a constipação dura mais de 10 dias, ou se a febre for muito alta.
  • Se a tosse persiste por mais de 3 semanas.
  • Nas crianças, se a febre persiste por mais de 3 dias ou têm dificuldade em alimentar-se.

 

Artigo anterior

A que horas treina? De manhã ou ao final do dia?

Próximo artigo

Estudo mostra que magnésio otimiza níveis de vitamina D