Home»S-Vida»Conjuntivite alérgica: sente os olhos inchados, vermelhos ou com comichão?

Conjuntivite alérgica: sente os olhos inchados, vermelhos ou com comichão?

Cerca de 20% da população portuguesa sofre diariamente com olhos inchados, vermelhos, a lacrimejar e com comichão. A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia alerta que é fundamental prestar atenção a estes sintomas e procurar não só um tratamento, como prevenir estas crises. É mais comum na primavera.

Pinterest Google+
PUB

A conjuntivite alérgica é uma doença que afeta centenas de portugueses e, apesar de não ser contagiosa, dada a sua frequência, pode atingir todos os membros da família. Assim, em qualquer idade e perante a suspeita de uma conjuntivite alérgica, nomeadamente na ausência de alergias prévias conhecidas, deve ser sempre consultado um oftalmologista.

 

No caso dos mais novos, é muito comum existir um menosprezar os sintomas de alergia ocular, pelo que se torna fundamental alertar também os pais e familiares das crianças e jovens para esta doença.

 

VEJA TAMBÉM: SAIBA COMO TRATAR OLHOS SECOS SAZONAIS

 

Além disso, os próximos meses requerem uma atenção redobrada, uma vez que esta é uma doença alérgica. Apesar de poder surgir em qualquer altura do ano, a conjuntivite alérgica é mais comum na primavera, devido às elevadas quantidades de pólen no ar, mas também nos meses de verão, pois os dias quentes e secos podem também provocar um aumento da quantidade de poeiras e ácaros no ar.

 

O que é a conjuntivite alérgica

A conjuntivite alérgica ocorre quando um agente estranho (alérgeno) irrita a conjuntiva (membrana fina e transparente, que reveste o olho e a parte interior das pálpebras), provocando uma inflamação da mesma. Este tipo de manifestação alérgica pode afetar todos os grupos etários, desde a infância até às idades mais avançadas, pelo que é fundamental que todos estejam atentos a possíveis sintomas.

 

Segundo Ana Vide Escada, oftalmologista e secretária-geral adjunta da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO), «geralmente os sintomas associados são vermelhidão ocular, comichão e secreção transparente ou esbranquiçada. Em casos mais severos, podem associar-se inchaço e descamação da pele das pálpebras, lacrimejo e aumento da sensibilidade à luz».

 

A alergia ocular pode aparecer de forma isolada ou associada a outras manifestações de alergia, como crises de espirros, escorrência nasal, tosse irritativa e eczema atópico. Apesar de poder surgir em qualquer altura do ano, a conjuntivite alérgica é mais comum na primavera, devido às elevadas quantidades de pólen no ar. No entanto, os dias quentes e secos, que se avizinham nos próximos meses, podem provocar também um aumento da quantidade de poeiras e ácaros no ar.

 

Os próximos meses requerem, então, um cuidado especial e uma atenção redobrada a possíveis sintomas de alergia ocular. «O controlo da conjuntivite alérgica passa, primeiramente, pela sua prevenção, evitando o contacto com os alérgenos, quando estes já são conhecidos (pólenes, ácaros, pó da casa, entre outros)», explica Ana Vide Escada.

 

Tratamento

Relativamente ao tratamento, este envolve, normalmente, agentes anti-histamínicos (antialérgicos) ou gotas lubrificantes. Eventualmente, poderão ser usados corticosteróides, que são potentes agentes anti-inflamatórios, entre outros, mas apenas sob prescrição médica.

 

«A medicação pode ser somente tópica (aplicação ocular direta em gotas, gel ou pomada) e/ou ser sistémica. Geralmente, nas situações mais severas e nas crianças (que tendencialmente controlam menos o impulso de coçar e fazem reações muito exuberantes) é necessário aplicar medidas terapêuticas locais e sistémicas», acrescenta ainda a especialista.

 

Estas conjuntivites não são contagiosas, mas dada a sua frequência podem atingir todos os membros da família. Assim, em qualquer idade e perante a suspeita de uma conjuntivite alérgica, nomeadamente na ausência de alergias prévias conhecidas, deve ser sempre consultado um médico oftalmologista, não só para confirmação do diagnóstico, bem como para prescrição da terapêutica mais adequada a cada caso.

 

Artigo anterior

Passos a ter em conta na hora de cuidar das mãos e unhas

Próximo artigo

Tour por alguns dos museus mais visitados do mundo