Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Conheça os fatores que potenciam a síndrome de burnout

Conheça os fatores que potenciam a síndrome de burnout

Esta mantém uma estreita relação com o aparecimento de doenças graves como diabetes tipo II, problemas cardíacos e até um risco aumentado de morte antes dos 45 anos. A OMS renomeou o fenómeno como uma síndrome de desgaste emocional. Esta nova classificação entrará em vigor em 2022.

Pinterest Google+
PUB

A Organização Mundial da Saúde incluiu a síndrome de burnout na Classificação Internacional de Doenças (CID-11). A OMS, dentro da CID-11, renomeou o fenómeno como uma síndrome de desperdício emocional. Essa nova classificação, segundo a Adecco, entrará em vigor em 2022.

 

O que conhecemos como “esgotamento ou burnout” é muito mais preocupante do que pode parecer à primeira vista. Essa síndrome refere-se a todos as pessoas que experimentam situações de stress contínuo no ambiente de trabalho, e consequentemente, uma grande falta de motivação e incapacidade para o trabalho e social.

 

VEJA TAMBÉM: RECONHEÇA A SÍNDROME DE BURNOUT SEGUNDO UM MÉDICO PSIQUIATRA

 

O que é a síndrome de burnout

A síndrome de burnout nada mais é do que a resposta do ser humano ao stress crónico no trabalho. Esta doença não se limita ao período de stress em si, mas à perda da capacidade de lidar com a tensão no trabalho, levando a um cansaço permanente e a uma produtividade muito reduzida, quando não eliminada na totalidade.

 

Vários estudos confirmam que esse fenómeno afeta mais as mulheres do que os homens. Pessoas sem parceiro ou com pouco apoio familiar também são mais suscetíveis. Além disso, geralmente aparece nos primeiros anos de desenvolvimento profissional dos trabalhadores. Portanto, as estatísticas revelam que a percentagem de jovens empregados com síndrome de burnout é muito maior do que naqueles com mais de 35 anos.

 

Perfil, sintomas e fatores da síndrome de burnout

Apesar da importância da síndrome de burnout, não há muita informação sobre a doença. De facto, só agora é que começou a atrair maior atenção da imprensa e de investigadores. Verificou-se que a síndrome de burnout mantém uma estreita relação com o aparecimento de doenças graves como Diabetes tipo II, problemas cardíacos e até um risco aumentado de morte antes dos 45 anos.

 

Alguns dos sintomas apresentados e que permitem uma melhor identificação, são o esgotamento intenso, com uma enorme sensação de falta de energia; o desapego ao trabalho e tudo relacionado; problemas comportamentais e dormência; baixa ou nenhuma auto-eficácia e sensação de ausência de realização pessoal; ansiedade, hostilidade, raiva, depressão ou tristeza.

 

Além disso, há uma alteração de comportamento, dando lugar a hábitos tóxicos e absentismo. Se a síndrome de burnout se prolongar por períodos muito longos, a ocorrência de sequelas é bastante comum. O habitual é vir a sofrer de insónia, dores de cabeça, distúrbios gastrointestinais, etc.

 

 

Fatores mais propícios ao desenvolvimento da síndrome de burnout

 

Carga excessiva de trabalho

Um dos sintomas mais significativos é a exaustão. Sem dúvida, isso afeta diretamente a carga de trabalho do funcionário. Isso pode acontecer devido ao excesso de tarefas ou à execução incorreta de funções. Seja como for, o funcionário termina com o sentimento de não possuir as capacidades necessárias para o seu desenvolvimento profissional.

 

Perda de controlo

O sentimento de falta de satisfação pessoal é outro aspeto essencial da síndrome de burnout. Geralmente está associado ao problema de tentar controlar todo o trabalho que precisa ser feito. Pode levar a que o trabalhador sinta que não possui as capacidades necessárias para desempenhar as suas funções. No entanto, também pode ser o resultado de uma tentativa de assumir mais responsabilidades do que se deveria ter na posição que ocupa.

 

VEJA TAMBÉM: SINAIS DE QUE O STRESS SE PODE ESTAR A TRANSFORMAR NUMA DEPRESSÃO

 

Falta de reconhecimento

Estudos mostram que, dos trabalhadores que deixaram o emprego, quase 80% o fazem por falta de reconhecimento. De facto, 60% refletem que se sentem mais motivados pelo reconhecimento do que pela compensação económica. O autorreconhecimento também desempenha um papel importante. Contanto que o funcionário considere o seu trabalho importante e o faça corretamente, ele permanecerá longe da síndrome de burnout.

 

A importância das comunidades

Outro aspeto muito importante que favorece ou não o desenvolvimento da síndrome de burnout é o facto de a pessoa viver em família ou sozinha. Em família, os elogios, o conforto, a felicidade e o humor são partilhados. No entanto, o trabalhador independente que seja mais solitário é mais propenso a conflitos com colegas e a criar um ambiente de trabalho negativo. Sem dúvida, isso pode levar a esta situação.

 

VEJA TAMBÉM: SEMPRE EM STRESS? DESCUBRA SE ESTÁ EM CONTACTO COM AS SUAS EMOÇÕES

 

Tipo de tratamento no trabalho

Se o trabalhador sente que é tratado de maneira injusta no trabalho, as chances de sofrer da síndrome de burnout aumentam. Dentro do tratamento injusto encontramos ambientes favoráveis a preconceito, favoritismo e até abuso direto por um parceiro. A falta de confiança nos colegas, no diretor ou no líder executivo quem quer que este seja, causa uma dissociação psicológica no trabalhador.

 

Correspondência de ações

Desde que os valores comerciais não correspondam aos valores pessoais do trabalhador, haverá um problema de coexistência. Deve optar por trabalhos que não entrem em conflito moral com as suas crenças. Caso contrário, nunca se sentirá bem na sua carreira profissional e acabará a sofrer os sintomas da síndrome de burnout.

 

 

Artigo anterior

O medo de se relacionar novamente

Próximo artigo

Festival de Música dos Capuchos regressa 20 anos depois do seu desaparecimento