Home»BEM-ESTAR»SAÚDE»Concentração espermática tem decrescido nas últimas décadas

Concentração espermática tem decrescido nas últimas décadas

Ginecologista explica relação entre infertilidade masculina e o declínio da concentração de espermatozoides observado nas últimas décadas.

Pinterest Google+
PUB

Nos últimos anos, tem sido publicada uma quantidade significativa de literatura sobre a diminuição, nas últimas 3-4 décadas, da concentração de espermatozoides e na sua relação com eventuais efeitos de poluentes ambientais designados desreguladores endócrinos, nas taxas crescentes de criptorquidia (testículo fora da bolsa escrotal) e de tumores do testículo e ainda na relação dessa diminuição com o aumento da incidência de infeções do aparelho genital masculino.

 

De acordo com a Agência de proteção do Ambiente “Environmental Protection Agency” (EPA), um desregulador endócrino (“endocrine disrupting”) é definido como um “… agente exógeno que interfere com síntese, secreção, transporte, ligação, ação ou eliminação de uma hormona natural no corpo que são responsáveis pela manutenção, reprodução, desenvolvimento e/ou comportamento dos organismos …”.

 

Existem ainda outras definições para as substâncias estrogénicas poluentes presentes no meio ambiente. Frequentemente, são referidos como estrogénios ambientais ou estrogénios exógenos. Na literatura pode ainda ser encontrado o termo modulador endócrino (“endocrine modulator”).

 

VEJA TAMBÉM: PATERNIDADE DEPOIS DOS 50 ANOS: QUAIS OS RISCOS?

 

Segundo”o “American Council on Science and Health” (ACSH) o termo desregulador endócrino sugere que os efeitos de tais substâncias são negativos, mas é também concebível que a exposição a essas substâncias hormonalmente ativas possa conduzir a resultados benéficos. Também, segundo a ACHS, as substâncias designadas moduladores endócrinos referem-se às substâncias químicas industriais, tais como, policlorados de bifenilos e pesticidas.

 

Decréscimo na concentração espermática

Várias publicações científicas referem um decréscimo de 40 % na concentração espermática nas últimas décadas, enquanto outras, mais recentes, apontam para quedas de 25% a 30%, existindo também, evidências que parecem indicar haver não apenas uma diminuição na concentração de espermatozoides, mas também noutros parâmetros da sua qualidade (motilidade e morfologia).

 

Por outro lado, outros estudos, sobretudo publicados nos EUA, não conseguiram demonstrar esse declínio na contagem de espermatozoides. Estes dados contraditórios sugerem que existem variações geográficas significativas na qualidade do esperma.

 

Há igualmente estudos que evidenciam que a alteração na concentração de espermatozoides na América do Norte ao longo do tempo é maior do que nas comunidades europeias, asiáticas, africanas e sul-americanas e que é a demografia, muito provavelmente, a responsável pelas flutuações dos valores com o tempo.

 

Outros dados publicados apontam, por exemplo, para diferenças regionais significativas entre as cidades europeias e também para variações sazonais com contagens mais altas nos meses de inverno. Sendo um tema claramente controverso são necessários mais estudos para se chegarem a conclusões definitivas.

 

Criptorquidia e cancro testicular a aumentar

Para além das preocupações com a deterioração da qualidade do sémen, sabemos que a incidência da criptorquidia e cancro testicular tem estado a aumentar nas últimas décadas. Foi sugerido que os poluentes ambientais estrogénicos/desreguladores endócrinos são os responsáveis e na realidade existe um grande número de substâncias químicas estrogénicas que se podem acumular no nosso ecossistema, como, pesticidas (Ex: DDT), bifenilos policlorados, surfactantes, produtos de combustão.

 

As substâncias classificadas como desreguladores endócrinos, incluindo substâncias naturais e sintéticas, usadas ou produzidas para uma infinidade de finalidades podem ser agrupadas em duas classes:

Substâncias sintéticas – utilizadas na agricultura e seus subprodutos, como pesticidas, herbicidas, fungicidas e moluscicidas; utilizadas nas indústrias e seus subprodutos, como dioxinas, PCB, alquilfenóis e seus subprodutos, HAP, ftalatos, bisfenol A, metais pesados, entre outros; compostos farmacêuticos, como os estrogênios sintéticos DES e 17a-etinilestradiol.

 

Substâncias naturais – fitoestrogénios, tais como, genisteína e metaresinol e estrogénios naturais como o 17b-estradiol, a estrona e o estriol.

 

Resíduos de vários pesticidas vêm sendo encontrados em alimentos, água potável e corpos hídricos. Os pesticidas foram largamente utilizados no mundo por vários anos, sendo o maior grupo de substâncias classificadas como desreguladores endócrinos. Na classe dos pesticidas, estão inclusos inseticidas, herbicidas e fungicidas, que são utilizados na agricultura, na aquacultura e no uso domiciliar.

 

Continua na próxima página…

Artigo anterior

Outono: previna as constipações com o reforço de alguns alimentos

Próximo artigo

Lidl lança primeiros chocolates certificados vegan