Home»VIDA»CASA & FAMÍLIA»Compostagem caseira: como gerir os resíduos orgânicos e ajudar o ambiente

Compostagem caseira: como gerir os resíduos orgânicos e ajudar o ambiente

A compostagem doméstica é uma ação bastante eficiente quando o assunto é a redução dos resíduos domésticos. Imagine agora que o lixo produzido diariamente na sua casa poderia transformar-se num benéfico composto (adubo) para o meio-ambiente.

Pinterest Google+

Se nos acompanha regularmente, certamente já ouviu falar de compostagem. Este tema tem vindo a ganhar destaque, devido à imensa e contínua preocupação com o meio-ambiente. Explorar e implementar medidas que ajudem a preservar o nosso ecossistema são necessárias e extremamente urgentes.

 

A compostagem doméstica é uma ação bastante eficiente quando o assunto é a redução dos resíduos domésticos. Imagine agora que o lixo produzido diariamente pela sua família em sua casa poderia transformar-se num benéfico composto (adubo) para o meio-ambiente. “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” é a célebre frase de Antoin Lavosier. Imaginou? Pois é, não é história, isto é mesmo possível, e a este processo chamamos de valorização da matéria orgânica – resíduos alimentares. Dependendo do método de compostagem, conseguimos reduzir as deslocações aos contentores do lixo em cerca de 80%.

 

Acha que é difícil ou que necessita ter muitos conhecimentos técnicos para aplicar a prática de compostagem em sua casa? Muito pelo contrário. O processo é extremamente simples, ecológico e bastante económico! Neste artigo, ajudamos a entender um pouco mais.

 

VEJA TAMBÉM: O PAPEL DO AMBIENTE NO NOSSO BEM-ESTAR

 

Noções e dicas sobre compostagem doméstica:

A compostagem é simplesmente a degradação da matéria orgânica por ação de microrganismos, como fundos e bactérias, ou por ação de minhocas, a chamada vermicompostagem. Todo este processo necessita que exista um equilíbrio na relação azoto/carbono. Isto ajudará a manter o bom funcionamento da compostagem. E é neste pressuposto que deve ser montado o seu compostor.

 

1 – Resíduos a compostar/não compostar:

Nem todos os resíduos podem integrar o processo de compostagem. Pela sua acidez e características, alguns alimentos comprometem a degradação dos resíduos e o desenvolvimento do composto (adubo).

Não usar: laticínios (leite, queijo, manteiga), carne e peixe, gorduras e óleos, plantas tratadas com produtos químicos, cinzas, excrementos de animais;

Usar com moderação: alimentos cozidos, frutas cítricas;

Usar: vegetais, frutas, legumes, casca de ovos e ovos esmagados, borras de café, cereais, restos de relva, grãos e sementes, ervas daninhas.

 

VEJA TAMBÉM: MICROPLÁSTICOS NOS ALIMENTOS: O FLAGELO DA ATUALIDADE

 

2 – Material necessário para iniciar a compostagem:

Nesta fase, é necessário escolher o tipo de compostagem que irá implementar em sua casa. Se optar por uma vermicompostagem, terá de adquirir uma quantidade de minhocas vermelhas (geralmente espécies Eisenia foetida ou Lumbricus rubellus) para que possam dar início ao processo de degradação orgânica. Estas minhocas alimentam-se e reproduzem-se rapidamente, portanto serão a melhor escolha.

 

Material a ser usado:

– Compostor de 3 unidades (de preferência com uma torneira para facilitar a extração do composto líquido)

– Material castanho (folhas secas, palha, pequenos ramos)

– Material verde (resíduos orgânicos)

– Terra

– Minhocas

Artigo anterior

LEGO Braille Bricks chegam a Portugal em 2021

Próximo artigo

Praias do mundo vistas do céu