Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Complexo de inferioridade: como afeta as nossas vidas

Complexo de inferioridade: como afeta as nossas vidas

Condiciona as nossas vidas em várias dimensões, pessoal, social, profissional, emocional com efeitos verdadeiros nefastos. Baseado na comparação, impede de ver genuinamente a realidade, gerando mal-estar e incapacidade de mudança.

Pinterest Google+
PUB

Comparam-se com as outras pessoas, achando que as outras são melhores, mais inteligentes, divertidas, extrovertidas. Buscam incansavelmente o reconhecimento das pessoas, necessitam da sua aprovação. Tudo fazem para chamar a atenção.  Preferem ter migalhas de atenção que não ter nada.

 

A necessidade de ostentação, de mostrar tudo o que têm, os bens materiais, faz parte da sua natureza.  Têm uma sensibilidade extrema às críticas. Não suportam ser criticados. Se o forem o mundo acabou, nada mais faz sentido.

 

Têm uma preocupação excessiva com a opinião dos outros. Tudo que falarem pensam o que os outros vão achar. Tudo o que fizerem preocupam-se com que os outros vão pensar, o que vão falar. Vivem paralisados por causa da opinião dos outros. Anseiam atingir a perfeição. Querem ser pessoas perfeitas em todas as áreas da sua vida, um feito claramente inalcançável.

 

A única boa notícia é que não nascemos com este complexo, não é da nossa natureza foi aprendido ao longo do processo de desenvolvimento. Nenhum bebé tem complexo de inferioridade. Imagine algum bebé sentir-se inferior porque a chupeta do outro bebé é mais bonita? Tal não ocorre. Portanto se foi aprendido, pode ser desaprendido.

 

Então como desaprender?

A comparação não faz sentido, porque todos nós somos diferentes, são biliões de seres humanos e nenhum deles é repetido. Olhando à nossa volta na natureza, não existe nada repetido, nem os animais, nem plantas. Nós somos seres únicos, com características únicas. Acreditando nesta premissa, está dado o primeiro passo rumo à mudança. Aceite a maravilha da sua diferença.

 

Foque-se no presente, esquecendo o passando. O que passou, não podemos mudar, no entanto, podemos escrever a história no presente. No presente, foque-se nas características positivas, no que realmente é bom.

 

Se achar que não tem nada de bom, está de novo a cair na teia do complexo de inferioridade. Todos somos bons em algo. Descubra aquilo em que é e potencialize os seus efeitos. Aquilo em que se foca expande, cresce. Se se focar nos pontos positivos é a positividade que vai crescer e expandir na sua vida. Foque-se no positivo.

 

Valorize as suas conquistas, os seus feitos por mais pequenos que lhe pareçam.  Evite focar-se apenas nos seus erros e tenha consciência das suas habilidades, competências e do seu potencial verdadeiramente infinito.  Livre-se de pessoas tóxicas e escolha ter pessoas positivas na sua vida.

 

Por último controle as suas crenças limitantes. Rever as crenças limitantes é tomar consciência dos pensamentos que surgem na sua mente e que fazem com que se sinta inferior aos outros. Muitas vezes são pensamentos como: “Eu não sou capaz”, “Eu não consigo fazer isso ou aquilo”.

 

Tomar consciência sobre estas crenças ajuda a ver o quanto elas limitam o seu processo evolutivo e distanciam do seu verdadeiro propósito.

 

Na sua vida, não seja figurante, mas sim o protagonista. Pense nisso!

Artigo anterior

Pesca de arrasto: Europa deve implementar regulação existente para proteger ecossistemas marinhos

Próximo artigo

Madeira: uma viagem pela Pérola do Atlântico