Home»VIDA»SOCIEDADE»Como ser uma parisiense: traia e salte o pequeno-almoço, diz livro

Como ser uma parisiense: traia e salte o pequeno-almoço, diz livro

Abrace sem complexos a elitista que vive dentro de si. Use vermelho com cor-de-rosa. Coma ostras em casa e deite-se antes da meia-noite na noite de réveillon. Estes são alguns dos conselhos do manual "Como ser uma parisiense em qualquer parte do mundo". A modelo Caroline de Maigret é uma das autoras.

Pinterest Google+

Escrito a quatro mãos (francesas), o livro de 272 páginas fala dos maus hábitos da parisiense, até como segurar uma minissaia. “Amigas de toda a vida”, as autoras recorrem sem medo à ironia, ao estereótipo e às contradições da habitante da cidade-luz. Segundo a modelo Caroline de Maigret e as suas três cúmplices na tarefa de desvendar os segredos dessas misteriosas mulheres, as parisienses não se matam para ser amigas dos filhos, não se preocupam muito com a aparência e não ligam se não tiverem os dentes impecavelmente brancos.

Elas adoram azul-marinho com preto, malas que não combinam com a roupa, e não sonham em subir ao altar usando um vestido de princesa – pelo contrário, adorariam casar usando um smoking, igual ao do noivo.

Grávidas, substituem o clássico “Bloody Mary” por um “Virgin Mary”, mas esse é o máximo de santidade que desejam – e os saltos altos só são deixados de lado na sala de parto.

Na hora de organizar um jantar em casa, a ideia é aparentar que tudo foi improvisado e sem esforço, mesmo que antes tenham quase morrido de stress. E depois de discutir política, sabem direcionar a conversa para o segundo tópico preferido dos parisienses: “sexo”.

Faz ainda parte usar jargão corporativo, ter uma foto do casamento na sala de estar e usar mais de duas cores no cabelo.

Quanto à infidelidade, a regra de ouro é negar. “O que é bom para si é bom para o relacionamento – você está apenas a ser uma namorada dedicada”, sugerem.

Em entrevista à AFP num café em Paris, Caroline de Maigret é a imagem da típica parisiense. Mas esta modelo de 39 anos, embaixadora da Chanel, insiste que o objetivo do livro é justamente desmantelar, e não fomentar, estereótipos.

“Como ser uma parisiense em qualquer parte do mundo” é também assinado por Anne Berest, Audrey Diwan e Sophie Mas. A ideia partiu de Caroline, interrogada mundo fora sobre os segredos da parisiense. “Sempre que viajava todos me perguntavam sobre as parisienses”, conta a modelo.

Caroline de Maigret diz esperar que o livro seja divertido e mostre que a parisiense sai da linha, mas que sirva também como uma espécie de manual de autoajuda para a mulher moderna.

Tempo para viver

Como muitas mulheres que combinam maternidade e trabalho, Caroline de Maigret diz que o tempo é seu maior artigo de luxo. “Adoro ter tempo para almoçar e jantar com calma, e Paris dá-me isso”, comenta. “Acho que hoje em dia existe muita pressão sobre as mulheres, e mesmo sendo um livro frugal, contém uma boa dose de feminismo”.

Antes de mais, diz, a sua intenção é acabar com a ideia de que a mulher parisiense é perfeita. Aberta às excentricidades, salta o pequeno-almço, leva ostras para comer em casa e deita-se cedo na noite de Ano Novo. “Esse ideal de mulher que cozinha, cria filhos perfeitos e é estilosa sem esforço é tão cliché”, desabafa. “É uma ilusão pensar que é possível ser todas essas mulheres ao mesmo tempo”.

“O livro é uma tentativa de explicar que, sim, você é essa mulher, e dizer a todas nós que deixemos de correr atrás desse ideal”, acrescenta.

Veja abaixo a galeria de fotos sobre os segredos do estilo francês.

$$photo-gallery$$
Artigo do parceiro:

Mood

Artigo anterior

H&M garante que as suas roupas infantis cumprem regras nas substâncias químicas

Próximo artigo

Quer parecer mais magra?