Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Como proporcionar umas boas férias ao seu filho adolescente

Como proporcionar umas boas férias ao seu filho adolescente

Algumas sugestões de como pode negociar as saídas com os seus filhos adolescentes.

Pinterest Google+
PUB

Alguns adolescentes só iniciam verdadeiramente as férias na próxima semana visto que é quando termina a segunda fase dos exames nacionais. Só nessa altura é que começam os pedidos aos pais para irem sair com o seu grupo de amigos, irem passar um dia à praia ou simplesmente ficarem em casa o dia todo ligados às tecnologias. É nessa altura que começam os conflitos com os pais uma vez que estes não concordam em deixar os filhos adolescentes um dia inteiro sem a sua supervisão.

 

Por esta razão deixo-lhe algumas sugestões de como pode negociar as saídas com os seus filhos adolescentes.

 

Praia: quando o seu filho lhe pedir para ir passar o dia à praia com os amigos, sugira-lhe que os leva à praia e, se lhe for possível, fique a trabalhar a partir de uma esplanada à beira-mar.

 

Centros comerciais: os centros comerciais têm zonas de workhub onde pode ficar a trabalhar enquanto os seus filhos vão às compras com os amigos ou vão fazer uma refeição na zona da restauração.

 

VEJA TAMBÉM: ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: COMO AJUDAR O SEU FILHO A ESCOLHER UM CURSO OU PROFISSÃO

 

Festivais/festas da cidade/concertos ao ar livre: se tiver possibilidade, sugiro que compre bilhete para si e para o seu filho ir com os amigos. Combinem um ponto de encontro e uma hora para se reencontrarem no final do convívio para regressarem a casa.

 

Dormidas a casa de amigos: sugiro que conheça os pais dos amigos dos seus filhos. Marque um encontro para os conhecer e para trocarem contactos, para que quando autorizar o seu filho a ir dormir a casa do amigo conseguir contactar a família do mesmo em caso de necessidade.

 

Pode ainda sugerir ao seu filho adolescente atividades gratuitas onde o possa levar e ficar no local, sem comprometer a privacidade do seu filho e grupo de amigos. Entre as quais, fazer piqueniques em jardins, disfrutar de música ao vivo (ex: Outjazz) ou contemplar o pôr do sol em miradouros.

 

Se tiver possibilidades económicas, sugiro atividades indoor, idas ao cinema, teatro, visitas a museus, idas ao bowling, fazer um escape room ou laser tag com amigos. Dentro de atividades outdoor na natureza sugiro os parques aventura onde se pode fazer escalada, arborismo, rappel, slide, paintball ou canoagem com amigos.

 

Para que as saídas com os amigos do seu filho não sejam motivo de conflito com os pais, é importante que se definam regras de conduta. Estas passam por estabelecer horários de regresso a casa, pontos de encontro e que o adolescente se comprometa a atender e a responder às mensagens enviadas pelos pais a horas a combinar.

 

O objetivo não é que os pais condicionem o momento de lazer e convívio dos filhos, mas sim que se sintam confortáveis com a decisão de os terem deixado ir. Os pais devem ainda conversar com os filhos sobre regras de segurança que os mesmos devem adotar e sobre a obrigatoriedade de os filhos dizerem sempre a verdade de onde estão e com quem estão para que, desta forma, os pais possam confiar nos filhos e tornar a experiência combinada como positiva, ao ponto dos pais voltarem a autorizar uma futura saída.

O dinheiro que o adolescente pode gastar num encontro com amigos também deve ser algo negociado com os pais para que após a saída esse não seja um tema de atrito.

 

Quando não há a possibilidade de os pais supervisionarem as saídas dos filhos durante a semana por estarem a trabalhar e os filhos têm de ficar em casa o dia todo, sugiro que o dia seja dividido em blocos da seguinte forma:

 

Tempo livre: o adolescente decide o que quer fazer neste tempo. É completamente livre, pode decidir ficar a jogar, ver televisão, estar no telemóvel, nas redes sociais, etc.

 

Tempo dedicado às tarefas domésticas: o adolescente realiza as tarefas domésticas que foram previamente combinadas com a família, guiando-se por uma lista de tarefas. Estas tarefas podem ser arrumar/limpar o seu quarto, reorganizar o roupeiro (pode sugerir para que o seu filho tire uma foto do antes e do depois), fazer uma separação das roupas que já não usa, arrumar uma divisão da casa, fazer o almoço/jantar para si e/ou para a família. Uma forma de negociar este tempo com o adolescente é dizer-lhe que se ele ajudar a família nessas tarefas, irá sobrar mais tempo para poderem sair de casa e fazer algo que ele goste.

 

Tempo condicionado: o adolescente faz algo que se comprometeu com a família e que de iniciativa própria não o faria. Por exemplo, ler 20 minutos de um livro, fazer exercícios de estimulação cognitiva (ex: sopa de letras, sudoku, jogo da memória), tocar um instrumento, fazer 30 minutos de atividade física (ex: colocar uma aula de zumba ou fitness no youtube e imitar), entre outros.

 

Em suma, os pais desejam que os seus filhos adolescentes descansem do ano letivo, usufruam de momentos de lazer e convívios com amigos e família e que, acima de tudo, as férias dos mesmos não sejam um motivo de conflito entre as famílias.

 

As palavras-chave para um verão tranquilo entre pais e adolescentes são negociação, cedências e flexibilidade.

Boas férias.

 

Por Marta Torres

Psicóloga clínica

 

Artigo anterior

Saiba como tratar olhos secos sazonais

Próximo artigo

Do Antigo Egipto ao século XXI: factos curiosos sobre o batom