Home»S-Vida»Como prevenir a obesidade infantil

Como prevenir a obesidade infantil

Uma em cada três crianças apresenta excesso peso e 10,6% sofre de obesidade infantil. SPEO deixa recomendação de medidas que podem ajudar no combate e prevenção da obesidade em crianças e adolescentes. Hoje é Dia Mundial do Combate à Obesidade.

Pinterest Google+
PUB

A Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) recorda a importância de se reconhecer a obesidade como uma doença e partilhar algumas recomendações para que o excesso de peso seja prevenido e combatido também nos mais jovens (crianças e adolescentes).

 

De acordo com dados Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI) da Organização Mundial da Saúde-Europa, de 2019, uma em cada três crianças apresenta excesso peso e 10,6% sofre de obesidade infantil.

 

VEJA TAMBÉM: APP PORTUGUESA AJUDA A COMBATER OBESIDADE E EXCESSO DE PESO

 

O mesmo relatório refere que é comum observar-se obesidade infantil em famílias que apresentam obesidade e outras comorbilidades associadas, resultando em que mais de 60% das crianças obesas tornar-se-ão adultos obesos.

 

Pandemia e obesidade

O contexto pandémico teve um grande impacto nos hábitos de vida das crianças e dos pais e de acordo com o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, mais de 26% dos portugueses aumentaram de peso na pandemia.

 

É, portanto, essencial que se adotem estratégias criativas para combater os maus hábitos alimentares e sedentarismo. A SPEO alerta ainda os pais, mas também os jovens adolescentes, para a necessidade de tratar a obesidade ou pré-obesidade, recorrendo ao apoio de profissionais de saúde para que possam receber o acompanhamento adequado uma vez que a obesidade é efetivamente uma doença.

 

«A obesidade já era uma pandemia antes da covid-19, mas no período que atravessamos, atualmente, torna-se ainda mais importante colocar um travão a esta que é uma doença considerada um problema de saúde pública. Neste momento o impacto da obesidade é tão grande em Portugal que prevenir já não é suficiente. Temos de tratar as pessoas com obesidade já instalada, em especial as mais jovens, bem como combater os ambientes obesogénicos», afirma Paula Freitas, presidente da SPEO.

 

É neste contexto que a SPEO deixa o alerta às famílias para que sejam feitas mudanças de comportamento, quer de hábitos alimentares, quer de estilos de vida, e deixa algumas medidas que podem contribuir para o combate e prevenção do excesso de peso.

 

Medidas para combater a obesidade

– Organizar a ida ao supermercado elaborando uma lista de compras com o que se necessita para as refeições, dando prioridade a legumes e frutas e evitando adquirir alimentos/ snacks com alto teor de açúcar, sal e gordura;

 

– Manter horários das refeições e ter em atenção as porções que são servidas – manter a mesma rotina alimentar a que os mais jovens estão habituados em tempo escolar contribui para um maior controlo do consumo alimentar ao longo do dia;

 

– Apostar na fruta – fazer da fruta a sobremesa de excelência e incluí-la nos pequenos-almoços e lanches. A apresentação também conta e aqui pode optar por várias formas: em espetadas, bolinhas, com canela e/ ou outras especiarias;

 

– Furtas e Legumes – incluir o grão, feijão e ervilhas nas refeições e usar a sopa no início da refeição como uma forma fácil de aumentar o consumo hortícola nos mais jovens;

– Hidratar com água – promover o consumo de água ao longo do dia, e durante as refeições, e evitar as bebidas açucaradas;

 

– Atividade física – aliada a uma boa alimentação está também a realização de alguma atividade física diária (entre 30 a 60 minutos) que pode envolver dança, jogos, tutoriais online ajustados à idade ou até mesmo caminhar ao ar livre.

 

VEJA TAMBÉM:

NÃO É SÓ OBESIDADE E DIABETES… VEJA 10 RISCOS DO AÇÚCAR PARA A SAÚDE

TROCA DESNECESSÁRIA? ALIMENTOS DIET TAMBÉM PODEM LEVAR À DIABETES E OBESIDADE

OBESIDADE E HIPERTENSÃO: QUANTO MAIS EXPOSIÇÃO À NATUREZA MELHOR PARA A SAÚDE

 

 

Artigo anterior

Cancro da Mama: conheça os fatores de risco que podem estar associados à doença

Próximo artigo

Acesso a ambiente saudável declarado direito humano pela ONU