Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Como preservar os nutrientes dos alimentos: os truques de um nutricionista

Como preservar os nutrientes dos alimentos: os truques de um nutricionista

Sabia que alguns vegetais e legumes podem perder até 50% das suas vitaminas quando picados e cozidos? Conheça algumas dicas e técnicas para preservar os nutrientes.

Pinterest Google+

Para se ter uma vida saudável, é importante diversificar o consumo dos alimentos, já que deles retiramos os nutrientes necessários para um bom funcionamento do organismo. No entanto, a integridade e a quantidade destes nutrientes podem estar comprometidas, não permitindo um nível de absorção mínimo ou desejável no intestino.

 

A perda de nutrientes pelos alimentos começa logo nos campos de produção e continua na “extensa caminhada” até às nossas casas. Dependendo da forma como utilizamos estes alimentos, tanto na preparação como no armazenamento, podemos estar a acentuar ainda mais esta perda.

 

Por exemplo, vegetais e legumes podem perder até 50% das suas vitaminas (complexo B e vitamina C) quando picados e cozidos. Isto porque alguns desses nutrientes se dissolvem na água, a qual geralmente não é reaproveitada, ou se é alguns desses nutrientes são termosensíveis, ou seja, são inactivados/destruídos pelo calor empregue durante a confecção.

 

VEJA TAMBÉM: PANELA DE PRESSÃO: COMO USAR E O QUE COZINHAR

 

Basicamente existem cinco factores que são responsáveis pela perda de nutrientes dos alimentos: calor, exposição ao ar e à luz, cozimento em água e o bicarbonato de sódio.

 

As vitaminas liposolúveis (vitaminas A, D, E e K) são mais estáveis porque são insolúveis em água. Por outro lado, as solúveis em água perdem-se rapidamente durante a preparação, a higienização e a confecção como é o caso das vitaminas do complexo B e C.

 

Por isso, existem algumas dicas e técnicas para os preservar, como a quantidade de água utilizada para o cozimento, o modo de confecção (vapor, imersão, frito, grelhado, assado e outros), a forma de congelamento e de descongelamento, os cortes, o tempo de armazenamento e para o consumo, entre outros. Estes cuidados servem não somente para a preservação dos nutrientes, como também para garantir um melhor aproveitamento dos alimentos, melhorar o seu sabor e favorecer a sua apresentação.

 

VEJA TAMBÉM: SENTE CANSAÇO MENTAL? ALIMENTE O SEU CÉREBRO DA MELHOR FORMA

 

Tenha atenção aos seguintes conselhos para ter uma alimentação mais nutritiva e saudável:

– Compre sempre alimentos frescos e de boa qualidade e utilize-os o mais rápido possível. Legumes e vegetais armazenados por mais de uma semana no frigorífico podem perder nutrientes. No entanto, saiba que o frigorífico ainda é o melhor lugar para os guardar porque as enzimas responsáveis pelo processo de amadurecimento são mais sensíveis ao frio e demoram mais tempo a atuar.

 

– Alimentos bem embalados ou acondicionados não perdem com facilidade nutrientes, uma vez que não ficam em contacto com o ar. Mas cuidado. Muitas pessoas lavam os vegetais, como a alface, rúcula, escarola, etc…, para as guardar limpas e prontas para serem logo utilizadas. Alimentos ainda molhados ou ligeiramente húmidos deterioram-se rapidamente. E se não forem higienizados corretamente podem conter bactérias que fazem mal à saúde.

 

– É interessante lembrar que os vegetais congelados comprados já prontos (preparados), desde que bem armazenados, preservam melhor os nutrientes do que o alimento fresco que fica muito tempo no frigorífico para ser utilizado. Isto acontece porque, normalmente, são colhidos e imediatamente congelados a temperaturas muito baixas e num processo muito rápido que evita as perdas nutricionais. Mas é importante que verifique se os vegetais estão soltos dentro da embalagem e não contêm cristais de gelo. Se estas situações acontecerem é sinal de que foram descongelados e congelados novamente e assim não vão manter a qualidade sugerida pelo fabricante. Não congele os alimentos por mais de 30 dias.

 

Continua na próxima página…

Artigo anterior

Rota dos Vinhos Verdes promove dia de portas abertas

Próximo artigo

Escapadinha: sete destinos para o tempo mais ameno