Home»COVID-19»Como o novo coronavírus pode afetar o ciclo menstrual das mulheres

Como o novo coronavírus pode afetar o ciclo menstrual das mulheres

Ginecologista no Hospital Universitário Thomas Jefferson, EUA, alerta para o facto de o stress associado à pandemia por Covid-19 no mundo estar a afetar os ciclos menstruais de muitas mulheres, provocando antecipações, atrasos e mesmo supressão dos períodos menstruais. Alterações por stress não é novidade, o que é novo é a sua dimensão.

Pinterest Google+

Muitas mulheres estão a sofrer alterações nos seus ciclos menstruais decorrente do stress provocado pela pandemia de Covid-19, alerta Beth Schwartz, ginecologista do Hospital Universitário Thomas Jefferson, EUA. A consequência das grandes alterações na vida das pessoas que se estão a viver é ciclos menstruais alterados, com supressão, antecipações ou atrasos.

 

Tal situação não é nova, diz a ginecologista. O que é novo é a sua dimensão: «Vemos isso acontecer em mulheres diagnosticadas com diabetes ou cancro ou que são submetidas a outras situações stressantes abruptamente», explica a ginecologista. «As mudanças nos períodos também podem ocorrer quando há uma mudança na rotina, nos padrões de exercícios e nos hábitos alimentares», acrescenta.

 

Neste sentido, Schwartz explica mais detalhadamente como o stresse derivado do novo coronavírus pode afetar os ciclos menstruais e o que as mulheres devem fazer se ficarem com períodos irregulares.

 

VEJA TAMBÉM: PÍLULA ININTERRUPTA: SIM OU NÃO?

 

As mulheres podem ser sujeitas a períodos irregulares devido ao stress que se está a viver? Mesmo as que usam métodos de controlo da natalidade?

Se alguém passa por um stresse repentino na sua vida e por interrupções na sua rotina, sim, isso pode causar mudanças nos seus períodos. Às vezes, também pode acontecer mesmo que se esteja a usar métodos anticoncecionais, embora teoricamente a pílula tenha tomado conta de seus ovários e hormonas. Mas ouço isso o tempo todo e acho que é especialmente possível quando a dosagem da pílula ou de outros métodos é muito baixa.

 

Existem outros fatores que podem estar em jogo, além do stresse?

Eu acho que é uma combinação de stresse e agitação das rotinas normais de todos. De repente, as pessoas tomam a suas pílulas em momentos diferentes porque não estão mais num horário regular. As pessoas também estão a mudar os seus hábitos alimentares e de atividade. Todas essas coisas estão em jogo e podem afetar as hormonas.

 

Tomar a pílula em momentos diferentes também pode ser a razão pela qual também há este desequilíbrio?

É importante lembrar que a pílula é mais eficaz se for tomada no mesmo horário todos os dias. Uma hora apenas faz diferença? Não. Mas o problema é que quando as mulheres não tomam a pilula no horário normal muitas não se lembram de a tomar. E se a mulher está em isolamento com o seu parceiro, fazendo mais sexo, sem proteção, há um risco aumentado de gravidez se não permanecer consistente neste controlo de natalidade. Se notar alteração no período menstrual é recomendável fazer um teste de gravidez. Por outro lado, por causa do aumento do stresse, se o casal está a tentar engravidar agora pode ser mais difícil.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTAÇÃO DURANTE A MENSTRUAÇÃO: O QUE COMER E EVITAR PARA ATENUAR SINTOMAS

 

E se a mulher tiver um DIU?

Um período alterado pelo stresse é certamente possível se a mulher tiver um DIU. Quando se tem um DIU, os ovários não são controlados da mesma maneira como com a pílula que suprime a atividade ovariana. Faz ainda mais sentido nesse cenário que possa haver flutuações nas hormonas ou na função ovariana.

 

Períodos irregulares ou de stresse podem ser perigosos? Ou apenas um incómodo temporário?

Antes de mais, a mulher deve sempre informar o seu médico se tiver alguma dúvida ou tiver alguma alteração na sua saúde. Não me preocupo muito com as coisas que acontecem uma vez, mas se os períodos continuarem irregulares será necessária uma avaliação.

 

 

Artigo anterior

Confinado e com chuva. Saiba como obter vitamina D

Próximo artigo

Alimentação e autismo: quais os nutrientes a promover e a restringir?