Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Como gerir a ansiedade infantil?

Como gerir a ansiedade infantil?

A ansiedade nas crianças e adolescentes é um problema cada vez mais comum. Com ajuda especializada é possível aprender a resolver este problema de uma forma eficaz e não se deixar dominar pelos medos!

Pinterest Google+
PUB

Portugal é um dos países da Europa com os índices mais elevados de doença mental (23%), sendo a mais comum a ansiedade (16.5%). A ansiedade é um dos problemas de saúde mental mais comum, afetando crianças e adolescentes, e pode resultar no funcionamento posterior debilitante se não for tratada.

 

A infância e adolescência são as fases centrais de risco para o desenvolvimento de sintomas e síndromes de ansiedade, que podem variar de sintomas leves e temporários a perturbações de ansiedade graves. Durante a infância, a ansiedade surge como uma experiência transitória e adaptativa que permite a adaptação a situações novas, inesperadas ou consideradas perigosas.

 

O medo é uma emoção básica que tem uma função adaptativa ao longo do desenvolvimento da espécie humana. Essa função é a de nos proteger de eventuais perigos com respostas do ponto de vista psicológico e biológico, para enfrentar determinadas situações, pessoas ou objetos. É uma resposta natural a um estímulo físico ou imaginado que pode estar a colocar o bem-estar ou a segurança da criança em perigo.

 

VEJA TAMBÉM: PROGRAMA AJUDA A COMBATER ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM CRIANÇAS (E PROCURA VOLUNTÁRIOS)

 

Os medos funcionam como tarefas de desenvolvimento, tendo estes como objetivo colocar a criança diante de uma situação específica a ser ultrapassada no sentido de promover a autonomia e desenvolvimento emocional. Sendo assim é importante que a criança enfrente os seus medos.

 

Os medos de desenvolvimento mais comuns dos 2 aos 6 anos, transversais a várias culturas e civilizações são:

Medo do escuro; animais em geral; de ficar sozinho; de seres imaginários (monstros, fantasmas); pessoas mascaradas (carnaval, pai natal); perda/separação prolongada dos pais; dos “maus”, ladrões.

 

Os medos de desenvolvimento mais comuns dos 6 anos aos 11 anos são:

Medo de acontecimentos sobrenaturais; de feridas; do sofrimento físico; da morte; de aspetos escolares. O pico de incidência ocorre aos 11 anos, decrescendo a partir dessa idade.

 

O medo pode evoluir para uma situação generalizada, recorrente ou especialmente assustadora, que comprometa o desempenho da criança. Podemos dizer que as crianças com ansiedade possuem preocupações ou medos exagerados com a saúde ou desempenho em testes, agressão física, problemas com os pares, hipersensibilidade aos sinais de perigo, comportamentos de evitamento, entre outros.

 

Os sintomas que causam ansiedade têm consequências negativas para a criança, pois prejudicam a sua autonomia e autoestima, o seu desempenho escolar, as suas interações sociais, aumentando o isolamento social, que por sua vez aumenta a probabilidade destas crianças serem excluídas. Salientam-se que níveis de ansiedade elevados em testes e outras atividades escolares resultam na diminuição do rendimento académico e até numa recusa em ir à escola.

 

É importante que a criança aprenda a não se deixar dominar pelos medos, de forma a criar oportunidades para que desenvolva as competências necessárias para enfrentar e dominar as situações temidas e, assim, perceber como as suas emoções são ativadas e como deve agir emocionalmente.

 

Como ajudar os filhos

A melhor maneira de os pais ajudarem os filhos a lidar eficazmente com o medo é motivá-los a enfrentarem as situações que o desencadeiam. A promoção da autonomia e o ensino da resolução de problemas, que passa pelo confronto com essas situações, são também estratégias importantes para que os medos não assumam dimensões patológicas.

 

O acompanhamento por parte de um profissional especializado, seja psicólogo ou pedopsiquiatra, vai ajudar na resolução dos problemas de uma forma eficaz.  Toda a intervenção vai ser baseada na capacidade para controlar os seus níveis de preocupação. Como sabemos que os pensamentos e as emoções se influenciam mutuamente, ao ser capaz de controlar os seus pensamentos de preocupação, irá sentir-se genericamente menos ansioso.

 

VEJA TAMBÉM: ANSIEDADE: DO NORMAL AO PATOLÓGICO

 

Para uma intervenção psicológica eficaz é necessária a colaboração dos pais e professores, pois têm um papel importante na gestão da ansiedade, funcionando como modelos de comportamento para a criança.

 

Deve-se desencorajar comportamentos de fuga ou de evitamento – é crucial que a criança passe por experiências que lhe mostrem que o que ela sente como ameaçador, afinal, não o é. Encarar a ansiedade como qualquer outra emoção que faz parte do crescimento poderá ajudar a alcançar essa serenidade. Torna-se muito importante premiar as tentativas de resolução – a recompensa é muito mais eficaz do que o castigo.

 

As terapias de terceira geração, como o mindfulness poder-se-ão revelar úteis nas perturbações de ansiedade. Seja qual for o melhor plano de intervenção, quanto mais precocemente se intervir, maior será a probabilidade de sucesso.

 

Por Filipa Fonseca e Sandra Costa

Especialistas em Psicologia Clínica no Hospital CUF Viseu

 

Artigo anterior

Teste sanguíneo identifica se mulher está a entrar na menopausa

Próximo artigo

Maioria dos portugueses considera embalagens de vidro as mais sustentáveis