Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Como fazer um ser humano

Como fazer um ser humano

A biologia explica-nos que, após a fecundação de um óvulo pelo espermatozoide, começa a existir um ser novo. Estamos perante uma nova célula com identidade genética própria, diferente da que pertence aos que lhe transmitiram vida e com capacidade para gerar o seu próprio desenvolvimento.

Pinterest Google+
PUB

Pensar em como fazer um ser humano remete-nos para um idílico momento de dois seres em união de corpos para conceber um filho. No entanto, esta é uma decisão cada vez mais complexa, menos romanceada, mais idealizada em sentido de oportunidade ou momento na relação a dois, onde os fatores da vida social, profissional, condição física e financeira são valores pesados para a decisão de fazer e criar um filho.

 

Até há cerca de 20 anos, as mulheres tornavam-se mães entre os 21 e os 35 anos, fase áurea do metabolismo fisiológico funcional e hormonal de todo o corpo feminino. Isto porque a sociedade familiar e geracional tinha valores diferentes sobre o “criar” família cedo, enquanto se era novo. Mas a influência dos fatores epigenéticos sociais e comportamentais alteraram todos estes conceitos, sobretudo porque cada vez mais é influenciada pelo gene do egoísmo, o “meme” .

 

A biologia explica-nos que, após a fecundação de um óvulo pelo espermatozoide, começa a existir um ser novo. Estamos perante uma nova célula com identidade genética própria, diferente da que pertence aos que lhe transmitiram vida e com capacidade para gerar o seu próprio desenvolvimento.

 

VEJA TAMBÉM: SAL Q.B.: TEMPERE A SUA VIDA COM EQUILÍBRIO

 

Passará por vários estágios evolutivos do ser vivo até à sua morte. Todos os tecidos e órgãos nascem a partir do intestino primitivo, que forma um arco reflexo dividido por três folhetos embrionários, intestino anterior, intestino médio e intestino posterior. E de cada segmento do intestino, originam-se diversos órgãos.

 

Mas as experiências de vida, boas ou más, influenciam os óvulos e os espermatozoides até à quarta geração, mudando o destino determinado pela herança genética, ou seja, somos afetados pela herança ”epigenética transgeracional” (algo no ambiente altera a saúde da pessoa exposta, mas também dos seus descendentes).

 

Uma gravidez de sucesso é aquela que gera um bebé saudável e uma mãe feliz. É a mãe quem controla o crescimento do novo ser através do fornecimento de alimentos saudáveis e de oxigénio, e é a soma dos dois quem determina o tamanho da criança à nascença.

 

Ao terceiro dia, o embrião manda sinais moleculares à mãe para que ambos se coordenem como vidas diferentes em perfeita simbiose durante toda a gestação. O tamanho “in útero” depende do nível de serviços que a mãe pode fornecer; comida e acomodação. A nutrição pode afetar o embrião através dos sinais hormonais causados à mãe, e são estes sinais que irão gerar ao embrião a informação e a experiência que vão fazer dele um ser saudável.

 

Uma alimentação equilibrada e variada molda todos os órgãos e os sistemas do bebé, porque não são os genes adquiridos à nascença que determinam a qualidade de vida do novo ser, mas sim a interatividade entre os genes e o ambiente durante o seu desenvolvimento.

salada de tomate

A tarefa do alimento em cada ser humano é a sua conversão em energia, devemos absorver toda a sua força. Na estrutura mineral do alimento existe uma grande semelhança com a nossa própria estrutura mineral, pelo que nos tornamos, no que comemos, como comemos e quando comemos. Quanto mais vida o alimento possua, menos adoecemos, porque estamos a ingerir nutrientes bioativos e funcionais, onde não se alterou a sua constituição, sendo esta absorvida pelo nosso corpo quase na sua maior parte.

 

Um ser humano adulto, com uma vida saudável entre os 21 e os 60 anos, com 70Kgs de peso total, é constituído por 11 tipos de elementos minerais (6 não metais e 5 metais) e por 4 compostos gasosos.

 

Costumo dizer com frequência que somos feitos de pedras preciosas capazes de se transformarem num belo diamante (ser humano), porque somos feitos de minerais que transportam a energia vibratória cheia de piezoeletricidade (propriedades elétricas e mecânicas de certos minerais produzirem energia e pressão para gerar carga elétrica).

 

O cientista “Albert Einstein” considerava que a vida no corpo humano existe através da ressonância de um campo vivo, explicada pela física quântica, porque o campo vivo representa a figura do universo interconectado e que por isso “Nós Somos O Universo”.

 

A memória das nossas células é a “matrix” básica do desenho humano e não se perde ou se destrói. Ela é a energia da vida e circula através da composição dos nossos estados gasosos, oxigénio, carbono, hidrogénio, nitrogénio e minerais essenciais, numa relação entre natureza, nutrição e o genoma humano.  Esta energia de vida deve ser reforçada por “Valores Humanos numa ação de Cidadania consciente e pela conquista da Paz e do Respeito pelo Planeta que nos acolhe”.

 

TABELA DA COMPOSIÇÃO DO CORPO HUMANO

Esta constituição está distribuída em peso da seguinte forma:

  • 1,0gr-Silício (Si) não metal
  • 2,3g-Zinco (Zn) metal
  • 2,6g-flúor (F) não metal
  • 4,2g-ferro (Fe) metal
  • 19g-magnésio (Mg) metal
  • 95g-cloro (Cl) não metal
  • 100g-sódio (Na) não metal
  • 140g-enxofre(S) não metal
  • 140g-potássio(K) metal
  • 780g-fósforo(P) não metal
  • 1kg-cálcio (Ca)metal
  • 1,8kg-nitrogénio(N) gás
  • 7kg-hidrogénio(H) gás
  • 16kg-carbono(C) gás
  • 43Kg-oxigénio(O) gás

 

Cerca de 90% dos elementos distribuídos na tabela acima contêm 42 litros de água, onde estão incluídos os elementos gasosos (carbono, hidrogénio e oxigénio) repartidos por dois terços das células e o restante no sangue, plasma, linfa e órgãos. A maior parte da nossa composição corporal e molecular é gasosa, tem cálcio, fósforo, potássio, enxofre e sódio e só depois, em menor percentagem, estão os outros minerais de menor interação.

 

Mas se formos ver a importância de cada elemento, concluímos que todos, independente da sua quantidade, são vitais para existirmos, porque se algum destes elementos nos faltar a nossa vida fica comprometida.

 

A glândula pituitária tem alto teor de iodo, fósforo e manganês, a glândula pineal é rica em fósforo, enxofre e manganês, a medula adrenal em enxofre, fósforo, iodo e manganês. O córtex adrenal tem cálcio, ferro, flúor e silício. As glândulas tiroide, paratiroides e o hipotálamo são repletos de sódio, potássio, magnésio, cloro e iodo.

 

Os olhos, que são a grande janela do corpo humano e por onde assimilamos a luz do dia que controla o ciclo circadiano, o qual comanda toda a ação da incrível máquina humana, são compostos por enxofre e cloro. Os ouvidos que nos permitem gerir a orientação e o equilíbrio contêm flúor, ferro, magnésio e cloro.

 

Os ossos e dentes são feitos de cálcio e fósforo, a pele de silício, enxofre, sódio manganês e cobre. Os músculos são constituídos por potássio, magnésio, cloro, manganês, cálcio, fósforo e silício. No cabelo e unhas, temos ferro, silício, enxofre, cloro e zinco.

 

O sistema nervoso central é composto por fósforo, sódio, iodo, enxofre, potássio, silício, magnésio, cálcio e manganês. O coração por ferro, potássio, cálcio e fósforo. O sangue contém ferro, cobre, zinco, sódio, potássio e cálcio. Nos vasos sanguíneos corre magnésio, silício e enxofre.

 

O nosso sistema excretor tem na sua constituição os seguintes órgãos: o baço, que é o filtro (cemitério) do sangue, é rico em ferro, cobre, cloro, sódio, potássio e magnésio. O fígado tem zinco, selénio, enxofre, ferro, potássio e magnésio. Os rins, que são o grande filtro de função dupla, porque produzem urina e auxiliam na limpeza dos resíduos tóxicos do sangue, são compostos por potássio, cloro, flúor, manganês, magnésio, cálcio, ferro e silício. A bexiga é gerida pelo silício e flúor.  Nos pulmões temos manganês, fósforo e silício. Nas células beta do pâncreas temos níveis elevados de zinco, manganês, potássio e cromo.

 

VEJA TAMBÉM: ÓRGÃOS DESINTOXICADOS: 24 HORAS DE NUTRIGENÉTICA

 

No sistema gastrointestinal, o potássio, sódio, cloro, flúor, iodo, cálcio e o ferro contribuem para a boa função da digestão e da assimilação dos nutrientes. A próstata é rica em zinco, silício e magnésio. Os testículos são elevados em silício, manganês, fósforo, magnésio e zinco.

 

O oxigénio que inspiramos é usado por todas as células para libertar a energia dos alimentos que ingerimos. Fortalece o funcionamento do cérebro, a regeneração celular e a vitalidade. É o elemento precioso para a célula mitocondrial produzir energia.

 

O hidrogénio é o elemento da hidratação e responsável por prevenir as inflamações, promover a transferência dos nutrientes através das membranas celulares. Encontra-se nas secreções e tecidos moles, no soro, sangue, linfa, cérebro, pulmões, nos órgãos glandulares, fígado, rins, baço e pâncreas.

 

Do ponto de vista da frequência e ressonância vibratória dos nossos minerais (oligoelementos essenciais), cada elemento desta composição do tecido humano tem a função de uma nota musical tocada por cada instrumento de uma grande orquestra sinfónica. Se um falhar, perde-se a harmonia. Nesta analogia, o grande maestro é a água.

 

Constituída por dois átomos de hidrogénio e um de oxigénio que se ligam entre si, a água é uma substância essencial para a manutenção da vida na terra e um dos compostos básicos das nossas células. Este valioso líquido é capaz de dissolver substâncias no estado gasoso, sólido e líquido. O seu maior papel é ser um antioxidante de grande valência.

 

Paracelso, que era médico na Idade Média, mostrou que beber água com regularidade serve para auxiliar na cura de um corpo doente, porque o seu conteúdo solvente, elétrico e mineral, contribui para a regulação de todas as funções do metabolismo funcional humano. Por isso se diz que a água é o grande solvente do universo.

 

Somos 99,9% semelhantes, mas todos somos únicos e diferentes.

 

 

Fontes bibliográficas:
Ott, A. Tru. Welness Secrets For life: An Owner’s Manual For  the Human Body. Cedar Mountain Publishinh, 1999.
Basser, Andrew C. “Biological Sgnificance od Piezoeletricity”, Calc. Tiss. Res, Vol.I, 1968

 

Artigo anterior

Cinco novas práticas para ser mais sustentável

Próximo artigo

Quer perder peso? Regresse hoje aos alimentos reais