Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Como desenvolver um talento em si?

Como desenvolver um talento em si?

Ao ler aqui, vai aprender a primeira regra e como aplicá-la para desenvolver um talento seu, mesmo que ainda não tenha feito nada para isso. Imagine como será sentir e ver os frutos do seu talento…

Pinterest Google+

Durante anos pensou-se que o talento era inato. Em estudos, observações e livros como ‘O Código do Talento’, essa ideia foi desmistificada. Neste seu livro, Daniel Coyle refere 3 regras essenciais por detrás do desenvolvimento consistente de talento. Coyle viajou à volta do mundo para observar o que acontece na prática em centros de treino de alta performance, ou viveiros de talento como ele lhes chama, em diversas áreas. As 3 regras resultam dessa observação, da pesquisa de vários estudos, das diversas conversas com treinadores, high performers e neurocientistas.
Aqui apresento-lhe a primeira: Decompor. O célebre: um passo de cada vez. Mesmo que lhe pareça difícil ou demasiado simples… É assim tão eficaz e simples!

 

A primeira regra para desenvolver talento é “partir” em pedaços, decompor o treino da actividade em que nos queremos desenvolver. Neste Decompor existem 3 passos que potenciam o treino:

 

1. Absorver o todo: observe (num modelo de referência) a execução da habilidade em que se pretende desenvolver. Como diz Anders Ericsson, psicólogo sueco que estuda talento há mais de 30 anos: “estamos programados para imitar” e esta acção muitas vezes é muito inconsciente. Também por isso, acredito que qualquer pessoa tem muito a ganhar em dominar a arte da Modelagem como trabalhada em Programação Neuro Linguística há mais de 40 anos.

 

2. Fragmentar: desmonte uma perícia, uma ação, nas suas partes. Cada uma terá um circuito neuronal que é ativado cada vez que a observa e cada vez que a pratica. Depois, memorize e treine separadamente essas partes. A seguir, repita e vá juntando-as progressivamente em conjuntos maiores. Assim, estará a interligar esses circuitos neuronais.

 

3. Abrandar: pratique lentamente cada parte a desenvolver. A ideia é, por exemplo, fazer 3 a 5 vezes mais devagar; treinar durante 3 horas um excerto de minutos de uma música de 3 horas; treinar 30 minutos a leitura de um parágrafo do texto que vai comunicar. Depois treina as partes seguintes. Como diz Tom Martinez (treinador de futebol): “não se trata da velocidade de execução. Trata-se de quão devagar podemos executar correctamente”. O Abrandar permite que se preste maior atenção a pequenos erros, ou desvios, aumentando o grau de precisão; e, desenvolver uma maior percepção da perícia no plano interno – “a forma e o ritmo da interligação dos circuitos” neuronais associados à actividade em que está a desenvolver o seu talento!

Artigo anterior

Gelados podem fazer parte de uma alimentação saudável

Próximo artigo

Conhece a sua pedra de nascimento?