Home»AMOR»RELAÇÕES»Como curar um coração partido (segundo a ciência)

Como curar um coração partido (segundo a ciência)

Ultrapassar uma separação não é pera doce. Já quase todos passámos por isso e ninguém recomenda. A cura pode passar por uma questão de efeito placebo, segundo uma investigação realizada nos EUA.

Pinterest Google+
PUB

O segredo para conseguir ultrapassar uma separação passa por fazer algo simples, qualquer coisa mesmo, desde que acredite que isso vá ajudar, segundo as conclusões de um estudo realizado por psicólogos da Universidade do Colororado, EUA.

 

Os investigadores recrutaram 40 voluntários que tinham sofrido o fim de um relacionamento nos últimos seis meses. Foi-lhes pedido que levassem duas fotografias: uma do/da ex e de um/a amigo/a platónico/a. Consequentemente, todos os participantes fizeram uma ressonância magnética funcional enquanto lhes era mostrada uma foto após a outra. Durante o exame, foram aplicados ‘choques’ de calor moderados nos braços dos participantes. Ao longo desta etapa, tiveram de avaliar o que sentiram, numa escala de 1 a 5, em relação a cada fotografia.

 

Veja também: Os dois segredos das relações são: primeiro sorte, depois o amor

 

Foram atividades regiões cerebrais semelhantes quando as pessoas sentiram calor doloroso e viram fotografias dos ex’s, validando a ideia de dor emocional. De seguida,  os participantes do estudo receberam um spray nasal. Metade foi informada de que era um ‘ analgésico poderoso e eficaz para a redução da dor emocional’, enquanto  que à outra metade foi dita a verdade – que era um simples spray salino.

 

Em exames de ressonância magnética subsequentes, aqueles que pensavam ter inalado um spray de alívio da dor relataram menos dor física e emocional durante os testes. Além disso, o cérebro também respondeu de forma diferente quando foram mostradas novamente fotografias dos ex-parceiros. A atividade aumentou acentuadamente nas regiões cerebrais envolvidas no controlo emocional e diminuiu em áreas associadas à rejeição. A atividade cerebral também aumentou numa zona designada cinza periaquedutal, que ajuda a controlar analgésicos e neuro químicos estimulantes do humor, como opiáceos e dopamina.

 

Veja também: As razões menos óbvias para o fim de uma relação

 

O estudo mostra que é possível usar o poder da expectativa para benefício próprio. «As crenças e as expectativas importam, no sentido em que influenciam a função cerebral e fisiológica, assim como os sentimentos e decisões», diz o coautor do studo, Tor Wager, professor de psicologia e neurociência. Por outras palavras, se as pessoas acreditam que um determinado medicamento vai ajudar a tratar o coração partido, há uma boa hipótese de isso realmente acontecer. Desta forma, pode abrir a sua mente e aperceber-se dos aspetos positivos da experiência e encará-la  com uma visão mais otimista.

 

As separações podem ser algumas das experiências emocionalmente mais negativas que uma pessoa sofre ao longo da vida. Esta dor é frequentemente associada a depressões e isolamento. O desamparo piora a ansiedade e a depressão. Em momento de ‘luto’, os amigos e os familiares podem ser uma fonte fortíssima de apoio e distração. Alguns psicólogos recomendam a libertação de energias e pensamentos negativos através da escrita. Acima de tudo, ter em mente que esta má fase vai passar… Afinal, ninguém morre de amor!

Artigo anterior

Lugares dignos de muitas fotos no Instagram

Próximo artigo

Saiba qual a importância da vitamina D para a nossa saúde