Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Como contribuir para reduzir o desperdício alimentar

Como contribuir para reduzir o desperdício alimentar

Mais de 800 milhões de pessoas sofrem com carência alimentar e, por outro lado, um terço dos alimentos produzidos no mundo para consumo humano é desperdiçado. Estima-se que cada português desperdice, em média, um milhão de toneladas de comida por ano. Números altos? Sem dúvida. De seguida, dou-lhe cinco dicas para reduzir o desperdício alimentar em sua casa.

Pinterest Google+

Com a população mundial a aumentar, o desperdício tornou-se numa prática bastante arriscada. Comprar mais do que o necessário, deixar as frutas e os legumes estragar no frigorifico, ou mesmo pedir porções de comida em excesso sinalizam um grande desperdício alimentar.

 

Mas, infelizmente, isto não se resume apenas à perda dos alimentos em si.  Estas perdas de comida representam desperdício de mão-de-obra, de água, energia, terras e muitos outros recursos necessários para a produção e transporte destes alimentos.

 

São recursos naturais gastos em prol do desaproveitamento alimentar. E o mais impressionante é que, segundo estudo publicado pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), se conseguíssemos reduzir um quarto da quantidade de alimentos desperdiçada atualmente poderíamos acabar com toda a fome no mundo; ou se conseguíssemos reduzir para metade da quantidade de alimentos desperdiçada poderíamos disponibilizar comida suficiente para alimentar mais mil milhões de pessoas.

 

VEJA TAMBÉM: INICIATIVA ENSINA A INTERPRETAR AS DIFERENTES DATAS DE VALIDADE DOS ALIMENTOS

 

Origem do desperdício alimentar

As perdas de alimentos possuem origens distintas, dependendo das regiões no planeta. Nos países em desenvolvimento, o desperdício alimentar representa 40 % das perdas pós-colheita, armazenamento e processamento dos alimentos. Já nos países desenvolvidos, 40% do desperdício tem origem no retalho e consumidor final.

 

Claro será dizer que as perdas de comida ocorrem por todo mundo e de diversas formas. E, portanto, os restaurantes, hotéis e catering são bons exemplos disso. Nestes locais, 80% dos alimentos rejeitados são atribuídos a grandes eventos. Os buffets, embora mais atrativos economicamente, são completamente ineficientes e desproporcionais no que diz respeito à quantidade de alimentos confecionada e consumida.

 

VEJA TAMBÉM: A FORMA CORRETA DE GUARDAR AS SOBRAS DAS REFEIÇÕES

 

Desperdício zero

«Não podemos simplesmente permitir que um terço de todos os alimentos que produzimos seja perdido ou desperdiçado, devido a práticas inadequadas, quando 870 milhões de pessoas passam fome todos os dias», afirma o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

 

Desta perspetiva, a comida é muito mais do que uma história ou caso particular. Atualmente, as escolhas que fazemos em relação ao consumo de alimentos já se traduzem em fortes consequências para o nosso planeta. Para além de afetarem de forma direta ou indireta o clima, e uso de recursos como água e a terra, comprometem a capacidade de as pessoas se alimentarem e viverem com dignidade.

 

Por isso, é tão importante adquirirmos, todos, consciência e recursos que melhor contribuam para ajudar a preservar, cada vez mais, a Terra. Mitigar o uso dos recursos naturais e o impacto ambiental inerente à produção de alimentos é fundamental para o bem-estar de todos, inclusive das gerações futuras.

 

A FAO tem como objetivo até 2030 reduzir para metade o desperdício alimentar per capita a nível mundial, do retalho e consumidor. Desta forma, comunicou algumas recomendações que podem ajudar-nos a participar desta boa causa em nossas casas. Ajudar está ao nosso alcance. Veja oito dicas práticas para reduzir o desperdício de alimentos em sua casa na galeria acima.

Artigo anterior

Prepare os confetes. Saiba onde brincar ao Carnaval na região de Lisboa

Próximo artigo

Apetece-lhe uma escapadela de última hora? Descubra estes destinos ‘escondidos’ para city breaks