Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Como a homeopatia ajuda a combater as alergias de primavera

Como a homeopatia ajuda a combater as alergias de primavera

As alergias provocam vários sintomas, como prurido, pingo no nariz, olhos lacrimejantes e espirros. Para cada paciente existe um tratamento homeopático adequado.

Pinterest Google+
PUB

Com a chegada da primavera, chegam também as alergias e todos os incómodos associados. Em Portugal, estima-se que a doença alérgica afete cerca de um terço da população. De acordo com dados atuais da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), 30% da nossa população tem queixas de rinite, 18% tem concomitantemente queixas de conjuntivite e cerca de 6.7% asma.

 

Na alergia respiratória, um dos principais alergénios são os pólenes, particularmente de gramíneas, oliveira e parietária. Os sintomas variam em função da intensidade da alergia, isto é, segundo a sensibilidade particular de cada pessoa ao pólen.

 

VEJA TAMBÉM: DOENÇAS RESPIRATÓRIAS: AS SOLUÇÕES DA HOMEOPATIA

 

No entanto os sintomas mais frequentes são prurido, pingo no nariz, olhos lacrimejantes e vermelhos, inchaço das pálpebras, congestão nasal e espirros. Cansaço, irritabilidade, dor de cabeça, insónias, distúrbios emocionais (como ansiedade ou depressão) e crises de asma são outros dos sintomas característicos.

 

Nem todas as pessoas apresentarão os mesmos sintomas e da mesma forma. Estas particularidades são importantes e fazem diferença na hora de indicar o tratamento homeopático mais adequado para cada pessoa.  Veja de seguida.

 

Tratamento consoante os sintomas

  • Allium cepa, usado em indivíduos cujos sintomas se manifestam em forma de secreção nasal límpida e irritante, acompanhada de irritação ocular e espirros;
  • Euphrasia officinalis, útil quando os indivíduos apresentam secreção nasal suave, acompanhada de lacrimejo irritante;
  • Nux vomica, utilizado em indivíduos que tendem a espirrar frequentemente, em salva, especialmente de manhã ao acordar;
  • Kalium iodatum, que reduz a sensação de congestão nasal e ocular, dor nos seios frontais, acompanhada de corrimento excessivo de muco nasal;
  • Sabadilla, para pessoas com sensação de obstrução nasal, acompanhada de prurido no nariz;
  • Pulmo histaminum, pode substituir o anti-histamínico, para sintomas alérgicos cutâneos e respiratórios;
  • Sticta pulmonaria, indicado para dor na base do nariz e sensação de nariz entupido.

 

A homeopatia apresenta-se, assim, como uma opção terapêutica que ajuda a reprogramar o sistema imunológico do indivíduo para que pare de reagir exageradamente a uma substância geralmente inofensiva, chamada de alergénio.

 

Em muitas ocasiões, os medicamentos homeopáticos são suficientes para controlar os sintomas da alergia, no entanto, podem ser acompanhados por anti-histamínicos convencionais. Cabe ao médico que acompanha cada doente optar pela melhor forma de abordar cada caso.

 

frasco de óelo homeopático

A prevenção continua, mesmo assim, a ser a melhor forma para evitar todos estes sintomas incómodos. Uma das medidas elementares é evitar a exposição ao pólen. Apesar de difícil, com o atual uso de máscaras de proteção individual a exposição direta acaba por desacelerar um pouco.

 

Ainda assim é importante seguir algumas recomendações básicas que melhoram a qualidade de vida e permitam aprender a viver com as alergias. Veja de seguida.

 

Comportamentos preventivos

  • Evitar andar ao ar livre nos dias quentes e ventosos e nas horas de maior concentração polínica;
  • Mudar de roupa ao chegar a casa, tomar banho e lavar a cabeça antes de deitar para que não fiquem resíduos na cama ou almofada;
  • Manter as janelas e portas fechadas e manter um ambiente húmido em casa;
  • Viajar com as janelas do carro fechadas, preferindo o ar condicionado com filtro para pólenes;
  • Usar filtros e purificadores de ar;
  • Usar proteção para o rosto (olhos, nariz e boca) se viajar de mota;
  • Não secar roupa ao ar livre, para evitar que os grãos de pólen se fixem à roupa;
  • Evitar a prática de desportos de exterior nos períodos de polinização.

 

Por Cristina Casaseca-Aliste Mostaza

Especialista em Medicina Geral e Familiar

Diploma de Terapêutica Homeopática

Professora do Centro de Educação e Desenvolvimento da Homeopatia CEDH

 

 

 

Artigo anterior

Menos sal, mais temperos: conheça os benefícios de 27 condimentos

Próximo artigo

Universidade de Coimbra lança plano para promover igualdade e diversidade até 2023