Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Cominhos, um sabor do outro mundo

Cominhos, um sabor do outro mundo

Esta planta milenar corre mundo desde tempos imemoriais, sendo usada como tempero em inúmeros pratos pelo eu sabor forte, penetrante e apimentado. Mas não só. Tem muitas outras aplicações, incluindo medicinais, beneficiando desde o sistema digestivo ao cardiovascular. Conheça melhor esta semente e surpreenda-se com algumas das suas aplicações.

Pinterest Google+

A Cuminum cyminum, também conhecida como Jira, é uma planta da família das Apiaceae, a planta pode crescer entre 30-50 centímetros de altura e é colhida à mão. É uma planta herbácea anual, com um caule delgado e ramificado, tendo uma cor verde cinza ou escura, que tem de altura 20-30 centímetros e de diâmetro 3-5 centímetros. Cada ramo tem dois ou três subramos, todos os ramos podem atingir a mesma altura, tornando a cobertura desta planta uniforme. As flores são pequenas e podem ser brancas ou cor-de-rosa, e estão dispostas em umbelas. O fruto tem uma forma fusiforme e contem dois mericarpos com uma semente. Estas sementes têm um sabor pungente, amargo e picante, que constituem os cominhos propriamente ditos.

 

Origem

Os cominhos têm sido usados desde os tempos antigos. As sementes na Índia foram datadas no segundo milénio antes de Cristo. Têm sido relacionados também com vários sítios arqueológicos dos antigos egípcios. No antigo Egipto, a civilização usava os cominhos como tempero e também como conservante na mumificação. Esta planta foi originalmente cultivada no Irão e na região do Mediterrâneo.

 

Os gregos antigos mantinham os cominhos à mesa de jantar, no seu próprio recipiente, e esta prática ainda se mantém em Marrocos. Foi muito usado na antiga cozinha romana e na Índia é usado há milénios como ingrediente tradicional de inúmeros kormas, masalas e sopas, para além disso, faz parte da base de muitas outras misturas de especiarias. Estas sementes foram introduzidas na América pelas colónias espanholas e portuguesas.

 

VEJA TAMBÉM: ERVAS E ESPECIARIAS QUE BENEFICIAM A SAÚDE

 

Existem vários tipos diferentes de cominhos, mas os mais famosos são os pretos e os verdes, ambos utilizados na cozinha persa. Os cominhos são utilizados muitas vezes nas rações dos pássaros e exportados para vários países, por isso esta planta pode ser considerada rara nalguns territórios. Os cominhos são mencionados na Bíblia, no Antigo Testamento e no Novo Testamento. O principal produtor e consumidor desta planta é a Índia, produz 70% da produção mundial e consome 90% da sua própria produção. Outros produtores são a Síria, Turquia e o Irão, no total são cerca de 300 mil toneladas de cominhos por ano em todo o mundo.

 

Em relação ao clima, os cominhos toleram o clima seco e tropical, apesar disto o clima mediterrâneo é o mais adequado para o seu crescimento. Esta planta tem uma estação de crescimento curta de 100 a 120 dias. O crescimento ótimo ocorre entre o 25º e o 30º C. Este cultivo exige um verão longo, quente e de três a quatro meses. As baixas temperaturas alteram a cor da folha de verde para roxo, a alta temperatura pode reduzir o tempo de crescimento e induzir a uma maturação precoce.

 

Na Índia, esta planta é semeada a partir de outubro até ao início de dezembro e a colheita começa em fevereiro. Na Síria e no Irão é semeada a partir de novembro até dezembro e colhidas em junho ou julho. Os cominhos podem ser encontrados nalguns queijos e nalguns pães de França. É comummente empregue na culinária tradicional brasileira.

 

VEJA TAMBÉM: SAL, O TEMPERO DA VIDA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS

 

Os cominhos podem ser usados na cozinha em pó ou como semente completa. Dão um sabor mais forte, penetrante e apimentado, provendo à comida o efeito de aquecimento, tornando-se um alimento base para alguns guisados e sopas. É também usado como ingrediente em pastelaria.

 

Efeito terapêutico

Para além de ser usado na cozinha, os cominhos são também utilizados pelas suas propriedades medicinais. Em sânscrito, é conhecida com Jira (significa ajuda na digestão). Na medicina Ayurvédica, estas sementes secas são utilizadas de diferentes formas em decocção, decocção fermentada, em comprimidos e processados com ghee, podem ser usadas numa aplicação externa ou interna.

 

As suas ações farmacológicas são: aperitiva, digestiva, antidiabética, imunológica, antiepilética, diurética, antimicrobiana, anti-inflamatória, antiespasmódica, carminativa, antioxidante, emenagoga, energizante e anticancerígena. É utilizada no sistema digestivo fraco com flatulência, inchaço, cólicas, dores de cabeça. Irá também ajudar na memória e concentração fraca, mordidas de insetos, febres, constipações/gripes, diarreias, vómitos, distensão abdominal, anemia, edema, puerpérios, insónia leve, fomenta a cura de contusões e lesões dolorosas, trata hemorroidas e promove a lactação. Em cataplasma trata o inchaço das mamas e dos testículos.

Artigo anterior

Plantas que resistem ao calor do verão

Próximo artigo

Arte Xávega, pesca por arrasto na Meia Praia em Lagos