Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Colapso de pontão na Trafaria coloca em perigo núcleo importante de cavalos-marinhos

Colapso de pontão na Trafaria coloca em perigo núcleo importante de cavalos-marinhos

População de cavalos-marinhos vai ser recolhida e alojada no Oceanário de Lisboa até à sua devolução à natureza.

Pinterest Google+
PUB

O colapso de um dos pontões da Trafaria na passada sexta-feira colocou em perigo um núcleo populacional importante de cavalos-marinhos, das espécies Hippocampus, hippocampus e H. guttulatus, que vive debaixo deste pontão, para além de outras espécies de singnatídeos, informa o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

 

Essas espécies têm graves problemas de conservação necessitando de medidas de proteção específicas e urgentes, o que fez com que já estejam listadas nos anexos da CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção) e no Regulamento Comunitário que aplica essa convenção na União Europeia, tendo ainda sido incluídas nos anexos do recentemente publicado Decreto-Lei nº 38/2021, de 21 de maio, que aprovou o regime jurídico aplicável à proteção e à conservação da flora e da fauna selvagens e dos habitats naturais das espécies enumeradas nas Convenções de Berna e de Bona.

 

VEJA TAMBÉM: LIVRO ALERTA MAIS NOVOS PARA PERIGO DE EXTINÇÃO DOS CAVALOS-MARINHOS EM PORTUGAL

 

Segundo o ICNF, este núcleo populacional é de dimensão desconhecida, mas “a densidade de indivíduos encontrada debaixo dos pontões parece ser elevada sendo bastante pertinente a sua proteção, colocada em perigo pelo colapso do pontão e com a necessidade, por questões de segurança, de proceder ao afundamento do que resta dele. Dada essa urgência de intervir no pontão, seria importante assegurar a translocação daqueles indivíduos para um outro local com características adequadas, ou mantê-los em cativeiro até poderem ser novamente devolvidos à natureza”.

 

Captura de espécimes para realojamento

Assim, o ICNF decidiu emitir as necessárias autorizações para a captura do maior número de espécimes de cavalos-marinhos desta população, tendo conseguido, para isso, que a Autoridade Portuária do Porto de Lisboa, salvaguardando as questões de segurança adequadas, adiasse a sua intervenção no pontão para permitir essa captura.

 

A captura será efetuada por peritos do ISPA, devida e excecionalmente licenciados pelo ICNF para esta operação.  O Oceanário ficará responsável pelo acolhimento e manutenção dos espécimes de cavalos-marinhos até o ICNF decidir sobre a sua devolução à natureza. A operação será realizada hoje, dia 30 de março de 2022, acompanhada por técnicos do ICNF.

 

Artigo anterior

Moda digital pode tornar a indústria mais sustentável

Próximo artigo

Fatores que contribuem para a hipertensão arterial