Home»FOTOS»Cientistas testam com êxito vacina contra o stress

Cientistas testam com êxito vacina contra o stress

Uma equipa de investigadores nos EUA conseguiu que ratos de laboratório exibissem um comportamento menos ansioso e stressante, após terem sido imunizados com determinadas bactérias benéficas. Os cientistas acreditam que podemos estar perante o surgimento de uma vacina contra o stress.

Pinterest Google+

A imunização através de certas bactérias benéficas pode ter efeitos anti-inflamatórios de longa duração no cérebro, tornando-o mais resistente aos efeitos físicos e comportamentais do stress. Esta é a conclusão de um estudo recente da Universidade do Colorado, em Boulder (CU Boulder), nos EUA.

 

De acordo com os cientistas, as conclusões da investigação, realizadas em ratos, podem ser aplicadas em ensaios clínicos e criar novos tipos de imunização baseadas em probióticos para proteger as pessoas contra a ansiedade e o transtorno pós-traumático (TEPT). A partir das descobertas do estudo foi possível perceber também que podem ser criados novos fármacos para a depressão, revela a universidade em comunicado.

 

VEJA TAMBÉM: SINAIS DE QUE O STRESS SE PODE ESTAR A TRANSFORMAR NUMA DEPRESSÃO

 

«Descobrimos que nos ratos a bactéria Mycobacterium vaccae muda a perceção do cérebro perante um estado anti-inflamatório», explicou o principal autor, Matthew Frank, investigador do Departamento de Psicologia e Neurociência da universidade norte-americana. «Caso fosse possível utilizar a bactéria nas pessoas, tal poderia ter várias implicações em diversas doenças neuro inflamatórias», continuou. Um facto muito importante para o avanço da medicina, uma vez que a ansiedade, o TEPT e outros transtornos mentais relacionados com o stress afetam um em cada quatro indivíduos ao longo da vida.

 

A pesquisa sugere que a inflamação cerebral induzida pelo stress pode aumentar o risco desses distúrbios, devido à influência dos neurotransmissores (noradrenalina ou dopamina) na mudança de humor. De acordo com o autor do estudo, existe uma corelação entre a indução imune às inflamações e o desenvolvimento rápido de doenças mentais, tais como depressão e ansiedade. Também os traumas, as doenças ou as cirurgias podem sensibilizar certas zonas do cérebro, criando uma resposta inflamatória capilar aos fatores de stress e que podem causar transtornos de humor e declínio cognitivo.

 

VEJA TAMBÉM: EIS PORQUE O STRESS PÕE AS PESSOAS DOENTES

 

«Descobrimos que a [bactéria] Mycobacterium vaccae bloqueou também os efeitos sensibilizadores do stress, criando um fenótipo [termo genético utilizado para descrever as características observáveis de um indivíduo resultantes da interação dos fatores epigenéticos (características de organismos unicelulares e multicelulares) com o genótipo (conjunto completo de genes herdados dos pais) e os fatores ambientais] resistente ao stress prolongado no cérebro», esclareceu Matthew Frank.

 

Num anterior estudo da CU Boulder, publicado na revista ‘Proceedings’ da Academia Nacional de Ciências (PNAS, sigla em inglês), descobriu-se que os ratos injetados com uma mistura de substâncias químicas, incluindo a bactéria M. vaccae, e depois expostos, durante 19 dias, a um rato macho agressivo demonstravam menores níveis de ansiedade e eram menos propensos a sofrer colite ou inflamação nos tecidos periféricos.

Artigo anterior

Casamentos de Santo António, uma tradição de amor em Lisboa

Próximo artigo

Louboutin vence batalha judicial pelas solas vermelhas