Home»GLAMOUR»BELEZA»Cientistas mais perto da cura da calvície

Cientistas mais perto da cura da calvície

Investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Indiana conseguiram, pela primeira vez, fazer crescer folículos pilosos em laboratório. Mas a descoberta surgiu por acaso.

Pinterest Google+

Com recurso a células estaminais de ratos, cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Indiana, EUA, conseguiram pela primeira vez fazer crescer, em laboratório, pele com folículos pilosos. Pode estar aberta a porta para a cura da calvície.

 

O trabalho, publicado ontem no jornal cientifico ‘Cell Reports’, está a ser liderado pelo professor Karl Koehler. A equipa começou por usar células estaminais – que têm a capacidade de se transformar em qualquer órgão – para criar mini orelhas em laboratório (organoide). Mas a equipa percebeu que estavam a criar células de pele adicionais ao tecido de orelha e a investigação reorientou-se para fazer brotar folículos pilosos.

 

VEJA TAMBÉM: CAI A FOLHA, CAI O CABELO: DERMATOLOGISTA TIRA TODAS AS DÚVIDAS

 

A pesquisa desmonstrou que um organoide desenvolvido em cultura consegue dar origem às duas camadas de pele (derme e epiderme), permitindo que os folículos se produzam da mesma forma como nos ratos. «Parece uma pequena bola de fiapo. A pele desenvolve-se como um cisto esférico e, em seguida, os folículos pilosos crescem para fora em todas as direções, como sementes de dente-de-leão», explica o investigador em comunicado.

 

Ao observar o desenvolvimento deste organismo, os pesquisadores descobriram que as duas camadas de células da pele devem crescer de forma específica para que os folículos capilares se desenvolvam. À medida que a epiderme crescia no meio de cultura, começou a tomar forma de um cisto. As células dérmicas então envolveram-se em torno desses cistos. Quando este processo foi interrompido, os folículos pilosos nunca apareceram.

 

VEJA TAMBÉM: COMO TER UM CABELO SAUDÁVEL E BONITO NO INVERNO

 

«Uma coisa que exploramos no artigo é que nós destruímos os organoides e tentamos juntá-los. Então, pensamos que é muito importante que as células se desenvolvam num estágio inicial para formar adequadamente a pele e os folículos capilares», explica Koehler.

 

Depois de descobrirem esta receita para folículos pilosos, os pesquisadores querem agora trabalhar para superar um novo bloqueio no estudo do crescimento in vitro do cabelo – as limitações físicas que impedem que os cabelos se regenerem. A forma do tecido em cultura faz com que os folículos capilares cresçam nos cistos dérmicos, deixando-os sem espaço para progredirem.

 

 

Artigo anterior

Curso de finanças para casais ajuda a melhorar a felicidade

Próximo artigo

Características do rosto revelam se é de confiança ou não