Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Cientistas identificam pela primeira vez as 272 espécies invasoras em águas interiores de Portugal e de Espanha

Cientistas identificam pela primeira vez as 272 espécies invasoras em águas interiores de Portugal e de Espanha

O guia resulta de um processo de avaliação sistemática e do consenso de 60 especialistas de mais de 30 instituições de Portugal e Espanha. O objetivo é criar sistemas de alerta e erradicação precoce para evitar o caos ecológico e económico nas águas dos dois países ibéricos.

Pinterest Google+
PUB

Cientistas de Portugal e de Espanha identificaram pela primeira vez as 272 espécies potencialmente invasoras em águas interiores de ambos os países, o que permitirá a criação de sistemas de alerta e erradicação precoce para evitar o caos ecológico e económico. As espécies acabam de ser identificadas na publicação “Lista de espécies exóticas potencialmente invasoras na Península Ibérica 2020”, disponível em português, espanhol e inglês, no site do projeto europeu Life Invasaqua, impulsionador desta investigação.

 

Estas espécies já estão na fase de transporte ou introdução na Península Ibérica e devem ser tidas em conta nos sistemas de alerta precoce de Espanha e Portugal. Na maioria dos casos, estas espécies estão a chegar à Península como animais de estimação, para fins ornamentais ou através da aquicultura, informa em comunicado o MARE- Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, uma das entidades portuguesas integrantes do consorcio europeu.

 

A lista, fruto de um processo de avaliação sistemática e do consenso de 60 especialistas de mais de 30 instituições diferentes em Espanha e Portugal, pretende ser a base para a prevenção e alerta precoce por parte das administrações de ambos os países, bem como para promover a cooperação transnacional nesta área.

 

VEJA TAMBÉM: Oportunista, voraz e agressivo: nas águas do Tejo anda um gigante a dizimar as espécies nativas

 

Em simultâneo, o Life Invasaqua publica também a “Lista de espécies exóticas aquáticas da Península Ibérica 2020”, fruto do trabalho do referido grupo de especialistas. A publicação identifica um total de 306 espécies introduzidas nas águas interiores peninsulares, das quais 200 estão «claramente estabelecidas ou naturalizadas» nos sistemas aquáticos de água doce e estuários da Península Ibérica, o que implica «um risco para o ambiente e para a economia muito elevado».

 

Os peritos constataram que destas 306 espécies exóticas apenas menos de 40% se encontra na lista europeia ou nas listas nacionais de Espanha ou Portugal, o que implica que a detenção ou comercialização de espécies não incluídas nestas listas ainda é permitida. Os grupos mais representados nestas 306 espécies são vertebrados, crustáceos e moluscos, embora as plantas aquáticas exóticas também sejam em número elevado. Estes grupos representam mais de 70% das espécies estabelecidas. Além das espécies invasoras mais emblemáticas, como o vison-americano, o peixe-gato-europeu, o mexilhão-zebra ou o jacinto-de-água, esta lista inclui também outras espécies menos conhecidas, mas que constituem um problema, como o coipú, a rã-de-unhas-africana, a perca-sol, o caranguejo-sinal, a amêijoa-asiática ou a azola.

 

Estudos recentes mostram que no continente europeu e, consequentemente, também em Espanha e Portugal, que há um aumento preocupante dos problemas ecológicos e económicos associados às espécies exóticas invasoras. A identificação de espécies exóticas presentes ou potencialmente presentes num país insere-se na base de medidas de deteção precoce e de resposta rápida, pelo que o Life Invasaqua se tem centrado na elaboração e publicação destas listas, que são uma ferramenta essencial para técnicos e gestores.

 

VEJA TAMBÉM: Acácias, penachos e jacintos-de-água: quando belas plantas invadem e destroem a biodiversidade portuguesa

 

«Estas listas são ferramentas para compreender e gerir as vias de introdução de espécies exóticas em sistemas de água doce e estuários, bem como para comunicar a dimensão do problema a todas as autoridades e partes interessadas relacionadas», diz Spyridon Flevaris, Chefe de Políticas de Biodiversidade da Comissão Europeia. Estas duas publicações servirão de base para o acompanhamento da implementação do objetivo da Estratégia da UE para a Biodiversidade até 2030 para combater espécies exóticas invasoras (EEI) e para a implementação de outras diretivas europeias (Habitats e Aves, Água e Estratégia Marinha).

 

O Life Invasaqua é um projeto ibérico que envolve três organizações nacionais, a Universidade de Évora, o MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente e a ASPEA – Associação Portuguesa de Educação Ambiental.

 

Links:

LISTA DE ESPECIES EXÓTICAS AQUÁTICAS DA PENÍNSULA IBÉRICA 

LISTA DE ESPECIES EXÓTICAS POTENCIALMENTE INVASORAS DA PENÍNSULA IBÉRICA 

 

Artigo anterior

Eis porque o stress põe as pessoas doentes

Próximo artigo

Abraçar novos desafios: é capaz de fazê-lo e sair da zona de conforto?