Home»BEM-ESTAR»SAÚDE»Cientistas identificam altura exata em que aparece a primeira gripe do ano

Cientistas identificam altura exata em que aparece a primeira gripe do ano

Um melhor conhecimento sobre estas infeções com base no tempo pode ajudar os médicos e especialistas da saúde pública a preverem e a prevenirem-se, bem como permitir que comuniquem esses riscos ao público.

Pinterest Google+

Os surtos de gripe sazonal aparecem pela primeira vez, a cada ano, cerca de uma semana após o primeiro período frio de inverno, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

 

Ou pelo menos aconteceu na Suécia ao longo de três anos, o período em que os investigadores monitorizaram os padrões climáticos e a prevalência do vírus. Durante esse tempo, recolheram mais de 20.000 amostras nasais de pessoas que procuravam atendimento médico em redor da cidade de Gotemburgo e analisaram-nas para verificar a existência de gripe A e outros vírus respiratórios. De seguida, compararam os resultados com os dados meteorológicos do Instituto Meteorológico e Hidrológico da Suécia.

 

Veja também: Guia de sobrevivência a constipações e gripes

 

Foi então que surgiu um padrão surpreendentemente consistente. A cada ano, a primeira semana realmente fria, com baixa humidade e temperaturas abaixo de zero, parecia desencadear a propagação da gripe. «Acreditamos que esta súbita queda de temperatura contribui para o começo da epidemia», diz o autor principal, Nicklas Sundell, especialista em doenças infeciosas no Hospital Universitário Sahlgrenska, Suécia, num comunicado de imprensa. «Uma vez que a epidemia tenha começado, continua mesmo que as temperaturas subam, pois estando as pessoas doentes e potencialmente contagiosas, muitas mais podem ficar infetadas».

 

Veja também: Constipação, gripe ou alergia?

 

As partículas transportadas pelo ar que contenham líquido e vírus – de um espirro, por exemplo – podem espalhar-se mais facilmente durante um tempo frio e seco, dizem os autores do estudo. O ar seco absorve a humidade das partículas, encolhendo-as e ajudando-as a permanecer no ar por mais tempo e a viajar distâncias mais longas. Algumas infeções respiratórias comuns, como o vírus sincíclia respiratório e coronavírus, seguiram padrões semelhantes à temperatura. Mas outras, como o rinovírus (uma causa de constipação comum), não parecem ser afetadas pelo tempo ou pela estação.

 

É claro que o frio não é o único pré-requisito para que as epidemias de gripe se propaguem. «O vírus [também] tem de estar presente entre a população, e tem de haver pessoas suficientes suscetíveis à infeção», explicou Sundell. A gripe, obviamente, ainda se espalha em climas quentes durante todo o ano. No entanto, a queda de temperatura é importante, ainda que não seja o único fator.

Artigo anterior

Sexo: resposta às dúvidas mais frequentes

Próximo artigo

Novo ano: Combata o negativismo dos outros