Home»BEM-ESTAR»CORPO»Cientistas criam proteína que restaura o cabelo e combate o envelhecimento

Cientistas criam proteína que restaura o cabelo e combate o envelhecimento

Se a eficácia da proteína FOXO4-DRI for comprovada em seres humanos, pode ser um possível tratamento para a perda de cabelo e para reverter alguns dos efeitos do envelhecimento.

Pinterest Google+

Um estudo realizado por cientistas de várias instituições (Holanda, Áustria, EUA) resultou na criação de um produto químico que pode restaurar o cabelo e combater o envelhecimento, mas os testes só foram executados em ratos de laboratório até à data.

 

Uma das principais substâncias do produto é uma proteína modificada chamada FOXO4-DRI. O presente estudo começou por analisar as células senescentes que contribuem tanto para o processo de envelhecimento em geral, assim como para doenças relacionadas com a idade, como a artrite.

 

Veja também: Os benefícios de beber água alcalina

 

É então que surge a ideia de testar se a proteína FOXO4-DRI tem a capacidade de destruir as células de ratos, na esperança de contrariar os sinais de envelhecimento. Foram utilizados ratos naturalmente envelhecidos e também ratos geneticamente modificados para envelhecerem mais rápido. Ambos os grupos foram expostos a quimioterapia tóxica para colocar stress adicional sobre as suas funções celulares.

 

Desta forma, foi possível concluir que a FOXO4-DRI foi capaz de neutralizar a toxicidade causada pela quimioterapia no envelhecimento rápido e no envelhecimento natural dos ratos. Além disso, foi capaz de neutralizar a perda de função hepática e renal, fragilidade e perda de densidade de pele nos pequenos animais de laboratório.

 

Veja também: Os benefícios de cortar o cabelo curto… e algumas ideias

 

São precisos mais testes, principalmente em humanos para perceber se esta proteína realmente funciona. Se a sua eficácia for comprovada pode ser um possível tratamento para a perda de cabelo e reverter alguns dos efeitos do envelhecimento.

Artigo anterior

Psicóloga alerta para primeiros sinais de depressão

Próximo artigo

Há 60 mil espécies de árvores no mundo