Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Chip implantado em macacos restaura paralisia

Chip implantado em macacos restaura paralisia

A experiência pioneira conseguiu que os primatas conseguissem recuperar alguma mobilidade das pernas em apenas seis dias.

Pinterest Google+
PUB

Uma equipa do Instituto Federal de Tecnologia Suiço utilizou implantes em primatas paralisados que ao irradiar instruções para fora do cérebro conseguiram restaurar, pela primeira vez, os seus movimentos nas pernas, divulga a ‘BBC’.

 

Vários macacos Rhesus ficaram paralisados devido lesões medulares danificadas. Estas bloquearam o fluxo de sinais elétricos do cérebro para o resto do corpo provocando uma paralisia. Estas lesões são feridas que raramente saram, mas esta tecnologia pode representar uma potencial solução.

 

Veja também: Guia de sobrevivência para constipações e gripes

 

Para o estudo, os investigadores implantaram um chip na parte do cérebro dos macacos que controla o movimento. A função do chip passa por ler os picos de atividade elétrica, que são as instruções para mover as pernas, e enviá-las para um computador próximo. Ao decifrar as mensagens, o chip enviou instruções para um implante na medula espinhal do macaco com o intuito de estimular eletricamente os nervos apropriados.

 

Os resultados, publicados na revista ‘Nature’, mostraram que os macacos recuperaram algum controle da perna paralisada dentro de seis dias e conseguiam caminhar em linha reta numa passadeira. «O movimento estava próximo do normal para o padrão básico de caminhada, mas até agora não conseguimos testar a capacidade de direção», diz um dos investigadores, Gregoire Courtine, em declarações à ‘BBC’.

 

Veja também: Cimento ósseo dá esperança ao tratamento de fraturas nas vértebras

 

A tecnologia utilizada para a estimular a medula espinhal no estudo é a mesmo utilizada na estimulação cerebral profunda, no tratamento da doença Parkinson e, como tal, não seria um salto tecnológico tão grande ao fazer-se em humanos. Porém, o ser humano anda de forma diferente dos primatas e exige maneiras mais sofisticas de estimular o músculo, referem os investigadores.

 

Apesar dos resultados positivos, os autores do estudo sugerem que esta tecnologia apenas deverá estar pronta para testar em seres humanos dentro de uma década.

Artigo anterior

Jeremy Scott colabora com a Google na criação de capas para telemóvel

Próximo artigo

Epidural pode prevenir depressão pós-parto