Home»LAZER»DICAS & VIAGENS»Chef francês renuncia às suas três estrelas Michelin

Chef francês renuncia às suas três estrelas Michelin

Sébastien Bras anunciou na sua página de Facebook que quer libertar-se da pressão que a maior distinção gastronómica mundial exige e dar um novo rumo à sua vida. E é o primeiro chef francês a faze-lo.

Pinterest Google+

Um dos mais conceituados chefs de França, Sébastien Bras, anunciou que renuncia às três estrelas Michelin que desde 1999 são atribuídas ao restaurante que gere em Laguiole, França, o ‘Le Suquet’.

 

Bras, que gere há dez anos o restaurante fundado pelo seu pai, em 1992, diz que a decisão foi tomada em família para «abrir um novo capítulo da minha vida profissional sem a recompensa do guia Michelin, mas com toda a paixão pela cozinha. Estou disposto a continuar, com a minha fiel equipa, a fazer viver no Le Suquet esta experiência mágica sempre com esta busca da excelência».

 

Veja também: Formas de resistir à pressão

 

As três estrelas Michelin são a maior distinção deste guia mundial atribuída a um restaurante, significando ‘Cozinha excecional, vale a pena uma viagem especial’. Duas estrelas significa que é excelente e merece uma visita. Uma estrela significa que é um bom restaurante na sua categoria.

 

O chef quer libertar-se da pressão sobre cada prato que serve no vídeo em que comunica a sua decisão: «Hoje, aos 46 anos, quero dar um novo significado à minha vida … e redefinir o que é essencial». Segundo o jornal ‘The Guardian’, o Guia Michelin já reagiu dizendo que respeita a sua decisão, mas que esta saída do guia não é automática e tem de ser considerada.

 

Veja também: Psicóloga alerta para os primeiros sinais de depressão

 

Bras diz ainda que, como todos os chefs, às vezes pensa em Bernard Loiseau, o aclamado chef francês que se matou em 2003, devido a rumores que indicavam que iria perder as suas três estrelas Michelin.

 

Esta é a primeira vez que um chef francês renuncia à mais desejada distinção da gastronomia mundial, mas não é inédita. Este pedido já foi feito anteriormente por um restaurante espanhol, um inglês e um belga. Outros chefs que se quiseram libertar da pressão tomaram outras vias, tais como fechar os restaurantes galardoados e abrir com novos nomes.

 

Artigo anterior

ONU e UE lançam investimento pioneiro para eliminar violência contra as mulheres

Próximo artigo

Contentores de criatividade nacional regressam hoje ao Terreiro do Paço