Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Cerca de 62% da proteína consumida pelos portugueses é de origem animal

Cerca de 62% da proteína consumida pelos portugueses é de origem animal

A ANPlWWF lança um Guia de Consumo de Proteína, que pretende ajudar os consumidores a fazerem escolhas alimentares mais responsáveis e sustentáveis.

Pinterest Google+
PUB

A proteína animal representa 62% da proteína disponível para consumo em Portugal e isto indicia que os portugueses tendem a consumir mais proteína de origem animal em detrimento da proteína vegetal. Considerando que os alimentos de origem animal apenas contribuem para o fornecimento global de 37% das proteínas, esta tendência de consumo significa que as pessoas não estão a obter a proteína onde ela existe em maior abundância, ou seja, nos alimentos de origem vegetal.

 

Neste sentido, a A ANPlWWF lança o Guia de Consumo de Proteína, que pretende ajudar os consumidores a fazerem escolhas alimentares mais responsáveis e sustentáveis. O guia é baseado num relatório técnico que apresenta uma análise científica da produção de diferentes tipos de proteína de origem animal e vegetal e revela um cenário pouco animador para Portugal.

 

Através de um estudo inovador, a ANPlWWF analisou a produção de diferentes proteínas de origem animal e vegetal, concluindo que, embora a produção de cereais e leguminosas não cumpra todos os critérios ambientais, o seu consumo deve ser privilegiado em detrimento do consumo de proteína de origem animal.

 

VEJA TAMBÉM: O MANUAL DA DGS SOBRE ALIMENTOS RICOS EM PROTEÍNA

 

Para Ângela Morgado, diretora-executiva da ANP|WWF, este Guia vem confirmar que “a principal fonte de proteína deverá ser de origem vegetal, não só por ser a mais saudável, mas também porque é a que apresenta maiores benefícios para o nosso planeta.  Apesar de este Guia nos mostrar que o impacto da produção de proteínas em Portugal está em linha com a realidade de outros países, continuam a existir enormes dificuldades no acesso à informação credível e útil sobre como são produzidos os alimentos, o que denuncia a falta de rastreabilidade dos produtos alimentares que compramos”.

 

Análise em três categorias

A análise foi feita em três categorias de impacto diferentes – Emissões de Gases com Efeito de Estufa, Utilização de Pesticidas e Biodiversidade – para avaliar as principais fontes de proteína consumidas em Portugal e quais os seus impactos para o planeta.

 

Nesta análise, foram tidos em consideração diferentes modos de produção agropecuária e países de origem das principais importações.

 

Os impactos ambientais da produção de carne são amplamente conhecidos e, em Portugal, este estudo veio confirmar que o cenário nacional não difere dos restantes países, o que leva a ANP|WWF a recomendar neste Guia a redução do consumo de carne.

 

Como exceção, é apresentada como uma escolha razoável apenas a carne nacional de suínos produzida em modo extensivo ou biológico, ou a carne nacional de aves de produção biológica.

 

O Guia da Proteína recomenda a inversão urgente desta tendência de consumo e alargou a sua análise a diversos cereais (como o centeio ou milho), leguminosas (como o feijão, grão-de-bico, ervilhas) e frutos secos (como as amêndoas e nozes).

Também os impactos da produção de ovos e lacticínios foram analisados ao longo deste estudo e concluiu-se que as melhores opções são provenientes dos modos de produção biológico. Contudo, no caso dos queijos, o consumo deve ser evitado, a não ser o de vaca, cabra e mistura de produção biológica.

 

No geral, as proteínas vegetais são as que apresentam o melhor desempenho ambiental, sendo a opção recomendada e que se afigura como a melhor alternativa à proteína animal.

 

Um dos principais obstáculos na realização deste estudo foi a dificuldade no acesso e a insuficiência e fiabilidade dos dados disponíveis, e a organização reforça a necessidade de tornar mais transparentes e acessíveis os dados sobre a produção agropecuária em Portugal.

 

Em particular, na rotulagem dos modos de produção pecuária e rastreabilidade na composição e origem da alimentação animal, de forma a informar as escolhas do consumidor.

 

Neste contexto de aumento galopante dos preços dos bens alimentares, a ANPlWWF irá apresentar, nos próximos meses, um novo estudo comparativo com orientações dirigidas aos consumidores sobre a composição de cabazes alimentares semanais com alimentos mais saudáveis e sustentáveis, por um valor semelhante ou inferior ao de um cabaz alimentar convencional.

 

 

Artigo anterior

Festival do Contrabando regressa a Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana

Próximo artigo

Esquilo-vermelho regressa ao Parque Natural de Sintra Cascais