Home»GLAMOUR»CELEBRIDADES»Centro de reabilitação fundado em honra de Amy Winehouse

Centro de reabilitação fundado em honra de Amy Winehouse

Já passaram mais de cinco anos desde que a voz rasgada e poderosa de Amy Winehouse desapareceu e deixou a indústria da música um pouco mais vazia.

Pinterest Google+
PUB

O caso da cantora Amy Winehouse originou a criação de um centro de reabilitação para mulheres viciadas em drogas e álcool, que está previsto ser inaugurado a 22 de agosto. O Amy Place – que contará com 12 apartamentos pequenos, no leste de Londres – permitirá albergar 16 mulheres com idades entre os 18 e os 30 anos, de acordo com a informação divulgada pelo ‘The Guardian’.

 

Recorde-se que a britânica foi encontrada morta, no dia 23 de julho de 2011, pelo seu guarda-costas, no seu apartamento em Camden Town, Londres. Na altura, o seu historial de abusos resultou num verdadeiro negócio: álbuns com músicas inéditas, produtos de merchandising, etc.

 

Veja a galeria: As celebridades mais sexy com menos de 30 anos

 

O centro, criado pela Fundação Amy Winehouse, visa assegurar que estas mulheres têm oportunidade de se reintegrarem na sociedade e evitar a perda de vidas como aconteceu com a cantora.

 

De acordo com o jornal, Dominic Ruffy, diretor do projeto na Fundação, decidiu fundar esta casa depois de descobrir a escassez de centros de reabilitação (apenas seis) para mulheres em Londres, embora vários estudos indiquem que as mulheres estão mais propensas a ter recaídas no que concerne a drogas.

 

Veja a galeria: O top 10 das celebridades mais ricas do mundo 

 

Um paciente que saia de uma clínica de reabilitação está sempre muito vulnerável e a probabilidade de ter uma recaída é muita se não tiver as pessoas certas a apoiá-lo. As moradoras de Amy Place serão apoiadas por um ‘modelo de coprodução’, o que significa que não serão obrigadas a frequentar as oficinas propostas e serão elas a escolher que tipo de serviços pretendem frequentar.

 

Para desenvolver o programa que tem a duração de três meses, a fundação consultou algumas mulheres que já estiveram internadas em centros de recuperação para perceber que tipo de oficinas são mais úteis para a reintegração das pacientes na sociedade de modo rápido e eficaz.

Artigo anterior

Cara Delevingne: «Estou completamente apaixonada»

Próximo artigo

Redução drástica na mortalidade cardiovascular demonstrada com fármaco anti-diabético