DIREITOS HUMANOS

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, salienta uma conferência de alto nível no dia 30 de março para a apresentação de ideias e conclusões para tornar mais efetiva a proteção dos adultos vulneráveis no espaço da União Europeia.

Os nomes de 10 milhões de vítimas do Holocausto estão registados nos Arquivos Arolsen. Durante uma semana, através da iniciativa #everynamecounts, estes nomes são projetados publicamente em Berlim e partilhados com o mundo através de uma transmissão ao vivo.

Segundo o UNFPA, violência de género, gravidezes indesejadas e mortes causadas por complicações no parto são alguns dos problemas que acrescem às vítimas femininas que fogem do conflito armado que decorre no norte de Moçambique. Está previsto que só no mês de janeiro ocorram mais de 1,6 mil partos junto desta comunidade de meninas e mulheres deslocadas.

O líder da oposição russo foi detido no passado domingo quando regressava à Rússia meses depois de alegadamente ter sido envenenado em circunstâncias ainda por clarificar. A União Europeia, a Organização das Nações Unidas e também o Parlamento Europeu apelam à sua libertação imediata.
Fotos: CIP/CJP

O primeiro Museu do Holocausto na Península Ibérica é tutelado por membros da comunidade judaica do Porto, cujos pais, avós e familiares foram vítimas do Holocausto. Neste novo museu, os visitantes terão oportunidade de visitar a reprodução dos dormitórios de Auschwitz.

Ataque ao Capitólio, desigualdades na pandemia, assassinatos policiais, desigualdades raciais, violações dos direitos dos migrantes e disparidades económicas são algumas das falhas apontadas pela organização de defesa dos direitos humanos àquela que é considerada a maior democracia do mundo. No relatório anual que avalia 100 países, Portugal é referido positivamente no bloco da UE pela forma como acolheu refugiados...

Uma nova investigação hoje divulgada dá conta de 17 ataques que mataram civis de ambos os lados do conflito entre a Arménia e o Azerbaijão. A organização de defensa dos direitos humanos dá conta do uso de armas imprecisas em zonas residenciais, o que é contra o direito internacional humanitário.

Compromisso foi assumido pela ministra de Estado e da Presidência junto do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, de visita a Portugal. O paía acolheu mais de 2600 pessoas desde o final de 2015.

Uma nova investigação é divulgada nesta segunda-feira, 11 de janeiro, quando se assinalam 19 anos sobre as primeiras detenções na prisão militar da Baía de Guantánamo e um novo presidente se prepara para entrar na Casa Branca. A organização também está a promover uma petição que apela ao encerramento desta infraestrutura por parte dos EUA.

A Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres recorda o aumento até cinco vezes das ligações para linhas de apoio nas primeiras semanas da pandemia e que, a cada três meses de confinamento, mais 15 milhões de mulheres são afetadas no mundo.