DIREITOS HUMANOS

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas diz que pandemia aumentou os desafios para a paz e segurança no mundo.

Julian Assange está detido enquanto aguarda a decisão sobre a sua extradição para os Estados Unidos da América. Na segunda-feira, um juiz decidiu que a extradição para os EUA seria ilegal.

O grupo, preso sob uma nova lei de segurança nacional polémica decretada pela China, estava envolvido numa votação primária não oficial para selecionar candidatos a eleições. Recentemente a polícia já havia prendido dezenas de pessoas sob esta nova lei, incluindo Jimmy Lai, o magnata e fundador do ‘Apple Daily’, um jornal pró-democracia.

Dois advogados de um grupo de ativistas pró-democracia de Hong Kong viram as suas licenças ameaçadas por aceitarem casos contra os interesses do Governo chinês. Um deles representou recentemente Zhang Zhan, a jornalista-cidadã condenada a quatro anos de prisão por reportar sobre o surto de coronavírus na cidade chinesa de Wuhan.

A organização de defesa dos direitos humanos salienta, no entanto, que tal decisão não isenta o Reino Unido de ter se envolvido neste processo com motivações políticas.

A organização apela a uma ação robusta para garantir a plena proteção dos direitos humanos, ainda mais fragilizados devido à crise provocada pela COVID 19. A AI destaca a necessidade de ação perante irregularidades na Polónia e na Hungria.

Hoje é o dia deles. O dia de todos os pequenos que vivem ao nosso redor. Além do direito a viver a sua infância e de brincar, existem muitos outros direitos que não devem ser esquecidos ou menosprezados. Hoje é Dia Internacional dos Direitos da Criança e Dia Nacional do Pijama.

Novo relatório indica graves interrupções nos serviços de apoio a crianças e mulheres em risco durante a pandemia, especialmente nos períodos de confinamento. A UNICEF alerta para o perigo da falta de apoio, já que mesmo antes da pandemia cerca de metade das crianças no mundo já sofria castigos corporais em casa.

Embora concentrada em 30 países de África e do Médio Oriente , a mutilação genital feminina é um problema universal e continua a persistir entre as populações imigrantes que vivem na Europa Ocidental, América do Norte, Austrália e Nova Zelândia.

Segundo António Guterres, o novo fundo de 500 milhões de euros será um investimento pioneiro na igualdade de género. A Spotlight Initiative foi lançada à margem da Assembleia Geral da ONU para combater o flagelo atual: uma em cada três mulheres será vítima de violência ao longo da sua vida.