DIREITOS HUMANOS

mãos a ler braille

Para as pessoas cegas ou com distúrbios de visão, o Braille fornece uma representação de símbolos alfabéticos e numéricos, de modo a que possam ler os mesmos livros e publicações impressas que estão disponíveis na forma de texto padrão.

A 10 de dezembro de 1948, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas proclamou aquele que é um dos mais importantes documentos da história da humanidade, a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Hoje é o dia deles. O dia de todos os pequenos que vivem ao nosso redor. Além do direito a viver a sua infância e de brincar, existem muitos outros direitos que não devem ser esquecidos ou menosprezados. Hoje é Dia Internacional dos Direitos da Criança e Dia Nacional do Pijama.
Fotos: CIP/CJP

O primeiro Museu do Holocausto na Península Ibérica é tutelado por membros da comunidade judaica do Porto, cujos pais, avós e familiares foram vítimas do Holocausto. Neste museu, os visitantes podem visitar a reprodução dos dormitórios de Auschwitz.

Novo relatório do Banco Mundial mostra que globalmente as mulheres ainda têm apenas três quartos dos direitos legais concedidos aos homens. Portugal entre os mais bem posicionados.
Menina refugiada na Ucrãnia

Site criado pelo ACNUR disponibiliza as últimas estatísticas sobre civis que fogem da ofensiva militar russa. Refugiados contabilizados já ultrapassam um milhão.
bandeira Ucrânia

Plataforma We Help Ukraine é ponto de encontro de quem precisa de ajuda e de quem quer disponibilizar alojamento, medicamentos e ofertas de trabalho.
crianças numa favela

Concurso global da LEGO Foundation procura ideias transformadoras para ajudar a resolver os maiores desafios globais que têm pela frente as crianças até aos seis anos. Ensino, saúde, nutrição entre as áreas contempladas. Candidaturas aos fundos estão a decorrer.

A aplicação para telemóvel, Rights Arcade, pretende tornar a aprendizagem sobre direitos humanos mais acessível a todos.

Pataforma Brighter Future, da Fundação José Neves, lança análises sobre o panorama laboral e formativo em Portugal. A disparidade salarial está em queda, mas os homens continuam a ganhar mais do que as mulheres, independentemente da idade, do nível de escolaridade e da região de Portugal em que trabalhem.