SAÚDE

O açúcar como 'combustível' para as células cancerígenas

É difícil dizer se uma dieta baixa em hidratos de carbono previne realmente o cancro, mas os especialistas recomendam uma dieta variada para reduzir o risco de doença.
Quinze minutos de exercício é o tempo suficiente para viver mais e melhor

É recomendado que uma faixa etária mais envelhecida atinja um mínimo de 150 minutos de intensidade moderada ou 75 minutos de intensidade vigorosa de exercício fisco semanalmente, uma realidade que não acontece na vida da grande maioria.
Cientistas portugueses criam super antioxidantes

Estes protetores da energia das células podem futuramente vir a ser utilizados nas áreas da cosmética e da saúde, como armas de combate ao envelhecimento e a algumas doenças.
Efeitos benéficos do exercício mudam com a idade

A alteração de recomendações definitivas com o fim de melhorar a reação do organismo ao stress oxidativo pode reduzir o risco de muitas doenças crónicas.
Infertilidade afeta 30 por cento das mulheres com endometriose

“Na Bexiga Mando Eu” é uma campanha que pretende alertar para o impacto da bexiga hiperati-va, que se estima que afete quase dois milhões de portugueses com mais de 40 anos de idade.
Infertilidade afeta 30 por cento das mulheres com endometriose

Os miomas uterinos afetam cerca de dois milhões de mulheres em Portugal, 40% das quais ainda em idade reprodutiva, e são a primeira causa das histerectomias.
Consumo moderado de álcool é benéfico para o cérebro

Para as mulheres é aconselhada a ingestão de uma bebida por dia.
«A incontinência urinária continua a ser uma epidemia escondida»

Em Portugal, as patologias cardiovasculares continuam a ser o principal problema de saúde das mulheres. Mas há outros, muito específicos da condição feminina, sobre os quais nunca é demais refletir. Questionámos a ginecologista/obstetra, Bercina Candoso.
Depressão é associada a deficiência de vitamina D

A principal fonte de vitamina D em humanos é a exposição da pele à luz solar.
A radiação do telemóvel é ou não perigosa para a saúde?

O problema continua a preocupar a popuilação e comunidade científica. Ainda não há respostas definitivas, mas um novo estudo levanta novamente as questões sobre o impacto do uso dos telemóveis na saúde.