ESPECIALISTAS

Falemos de listas de desejos

Com o avançar das badaladas e a boca cheia de uvas meias mastigadas, o cérebro parece não ser capaz de digerir tudo e os desejos caminham para ideias mais generalistas como “ter energia para fazer mais exercício físico”, “viajar mais” e “passar mais tempo de qualidade com as pessoas de quem gosto”. Por Joana de Sousa Costa.
2016 e agora?

Os grandes objectivos costumam começar por um sonho, por isso, sonhe e sonhe com realismo. Por Sérgio Oliveira
Vou ser Peter Pan em 2016

Querem viajar, ponham-se a caminho, nem que seja até à esquina da rua. Querem um filho? Façam-no. Por Sofia Rijo.
mulher 750

A autoimagem representa o conceito do tipo de pessoa que eu sou. Ela tem sido criada na base das nossas próprias crenças sob nós próprios. Por Esther Liska.
Por razões de (in)segurança

Ultimamente são muitas as pessoas com quem me cruzo e que usam o argumento da segurança e da estabilidade para manterem tudo tal como está na sua vida, mesmo que esta esteja a milhas daquilo que sonharam. Por Sérgio Oliveira.
Desintoxique-se de pessoas neste Natal

Neste Natal, vamos apreciar o calor em família, ao invés do “bafo” insuportável do ar-condicionado dos centros comerciais, onde somos abalroados, nesta altura, por sacos de compras com pernas. Por Sofia Rijo.
Viver só para os filhos devia ser proibido

Quanto maior for a preocupação de fazer tudo pelos filhos, dar-lhes tudo o que não se teve, maior será a tendência a tornar a relação parental baseada em cuidados práticos. Por Nuno Cristiano de Sousa
Eu sou...

A nossa identidade influencia o nosso comportamento. Se a opinião que tenho acerca de mim é “Eu sou uma pessoa divertida”, isso irá determinar a forma como me relaciono com os outros. Por Sérgio Oliveira.
Já pensou no que a marca “Você ®” transmite?

Através da construção da marca pessoal, cada indivíduo ganha a sua verdadeira identidade, no sentido em que se consciencializa dos pontos fortes e fatores diferenciadores da sua personalidade, conseguindo utilizar essa informação no desempenho da sua atividade profissional, social e familiar. Por Esther Liska.
Tenho medo porque...tenho medo!

O medo é provavelmente a emoção que mais nos paralisa. Pode consumir-nos e até debilitar-nos. Tal como a dúvida, o medo pode tornar-nos irracionais, levar-nos a perder o foco e afetar a forma como pensamos e nos comportamos. Por Sérgio Oliveira.