Home»GLAMOUR»MODA»Casa Alexander McQueen processada pelo vestido de casamento real

Casa Alexander McQueen processada pelo vestido de casamento real

Uma designer britânica acusa Sarah Burton de roubar as suas ideias. Uma polémica que surge anos depois do casamento de Kate Middleton com o Príncipe William.

Pinterest Google+

 

Christine Kendall, uma designer de vestidos de noiva em Hertfordhire (Inglaterra), entrou com um processo contra a marca Alexander McQueen, no ‘Intellectual Property Enterprise Court’, tribunal sediado em Londres.

 

A designer diz ter apresentado esboços de vestidos de noiva, antes do casamento real, à duquesa de Cambridge e acredita que estes serviram de inspiração para o produto final de Sarah Burton, estilista e diretora criativa de Alexander McQueen.

 

Veja a galeria: Óculos de sol: Encontre o par perfeito

 

Kendall fez questão de deixar bem claro que esta ação não envolve Kate Middleton, segundo as declarações do seu advogado à ‘International Business Times’. «Este processo não é contra a duquesa e não há nenhuma alegação de má conduta contra o palácio», esclareceu o advogado. Por sua vez, um porta-voz da família real diz que Middleton nunca viu os desenhos em questão.

 

Esta não é a primeira vez que Kendall faz afirmações do género. Cerca de 13 meses após o casamento real, a designer acusou McQueen de uma suposta semelhança de vestidos.

 

Veja a galeria: Celebridades em ‘totally black’

 

A casa Alexander McQueen, em comunicado à imprensa, lançou as seguintes declarações sobre o processo: «Estamos totalmente perplexos com esta reivindicação legal. Christine Kendall abordou-nos, em primeiro lugar, há cerca de quatro anos, quando tínhamos a certeza de que a sugestão dos desenhos de Sarah Burton para o vestido de noiva real terem sido copiados era um absurdo. Sarah Burton nunca viu qualquer um dos modelos ou desenhos da senhora Kendall e não conhecia Kendall antes da mesma entrar em contacto connosco – cerca de 13 meses após o casamento. Não sabemos o porquê da senhora Kendall levantar a questão novamente, mas não existem ‘ses’, ‘mas’ ou ‘talvez’ aqui: Esta afirmação é ridícula».

Artigo anterior

Etiqueta para uso de smartphones divide utilizadores

Próximo artigo

Creio logo existo (Parte 1)