Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Cancro oral: sintomas e tratamento

Cancro oral: sintomas e tratamento

O cancro oral é qualquer tipo de tumor maligno que afete qualquer localização da cavidade oral, dos lábios até à garganta, incluindo as amígdalas e a faringe. Localiza-se mais frequentemente no pavimento da boca e a maioria designam-se por carcinomas. Este tipo de cancro tem um índice elevado de mortalidade devido ao seu diagnóstico tardio. Deve por isso estar atento a alterações na boca e consultar um médico dentista, caso estas persistam.

Pinterest Google+

Sendo o 6º cancro mais comum, ele ocorre mais frequentemente nos homens, acima dos 45 anos de idade, aumentando até aos 65 anos. Como principais fatores de risco, constam o tabaco e o álcool. O fumo do tabaco, por exemplo, é o responsável por transformações na mucosa oral e tem um efeito carcinogénico sobre as células epiteliais da mucosa oral.

 

Este tipo de cancro está assim associado a um estilo de vida menos saudável, em que há consumo de tabaco e álcool e pouca ingestão de alimentos ricos em antioxidantes. Desta forma, a prevenção passa por adotar um estilo de vida mais saudável, reduzindo o consumo de álcool e abandonando os hábitos tabágicos, consumir frequentemente vegetais e frutas frescas e visitar regularmente o Médico Dentista pois o sucesso do tratamento passa pelo diagnóstico atempado.

 

O cancro oral pode manifestar-se como uma mancha de várias cores, mas normalmente branca ou avermelhada, uma massa um pouco endurecida ou uma úlcera que não cicatriza. A maioria destas lesões são indolores numa fase inicial, tornando-se depois dolorosas. Se tiver úlceras persistentes, áreas endurecidas, áreas de crescimento dos tecidos, lesões que não cicatrizam, mobilidade dentária, dor, perdas de sensibilidade, dificuldade em deglutir, lesões brancas ou vermelhas e/ou gânglios linfáticos aumentados, procure um médico dentista para que possa fazer o diagnóstico atempado ou despiste de cancro oral.

 

O tratamento do cancro oral passa pela cirurgia e radioterapia de forma isolada ou combinada. A taxa de sobrevivência é bastante melhor se o diagnóstico for atempado, por isso, uma vez mais, ressalva-se a importância de procurar um profissional caso detete algum dos sinais já mencionados.

 

A consulta de rastreio de cancro oral consiste num exame clínico de todas as estruturas da cavidade oral, nomeadamente os lábios, língua, gengivas, palato, bochechas, pavimento da boca e também das anexas como as glândulas salivares e o pescoço. Faz-se também a palpação das estruturas orais e periorais para detetar aumentos de volume ou zonas endurecidas. Por fim, pode ser pedido um exame complementar de diagnóstico, como, por exemplo, uma radiografia. Quando se observa uma lesão suspeita pode fazer-se também uma biópsia para confirmar o seu grau de malignidade.

 

Aconselha-se a ida ao médico dentista pelo menos duas vezes por ano para que o rastreio precoce e a prevenção do cancro oral sejam eficazes.

 

Artigo anterior

Dermatologista explica como limpar os pincéis de maquilhagem

Próximo artigo

A melhor altura do ano? Mais de um terço dos adultos sente stress no Natal