Home»S-Vida»Cancro do Pâncreas – Uma doença em que ainda há muito a fazer

Cancro do Pâncreas – Uma doença em que ainda há muito a fazer

No Dia Mundial do Cancro do Pâncreas, assinalado este ano a 16 de novembro, Vitor Neves, presidente da Europacolon Portugal, fala-nos daquele que é o mais letal dos cancros, com a taxa de sobrevivência mais baixa entre os cancros mais graves.

Pinterest Google+
PUB

O pâncreas é uma glândula no abdómen que se situa atrás do estômago e na frente da coluna vertebral, com duas funções muito importantes: digestão (função exócrina) e regulação do açúcar no sangue (função endócrina).

 

O cancro do pâncreas começa quando as células no pâncreas ficam fora de controlo e formam um tumor. Mais de 95% dos cancros pancreáticos são classificados como tumores exócrinos. Considerado um dos mais letais tipos de cancro, é na Europa o sétimo mais frequente, sendo que, em cada 100 mil pessoas, 12 homens e 8 mulheres são diagnosticados anualmente. 90% de todos os casos desta doença são detetados em pessoas com 55 anos ou mais.

 

O cancro do pâncreas é uma doença silenciosa, pelo que é muito importante a existência de um diagnóstico precoce e que doentes e profissionais de saúde se mantenham atentos aos primeiros sintomas.

 

VEJA TAMBÉM: JÁ CONHECE O CÓDIGO EUROPEU CONTRA O CANCRO?

 

Pacientes diagnosticados a tempo da cirurgia são mais propensos a viver cinco anos ou mais, algo que se vem a verificar devido à maior aposta na investigação. Contudo, os sintomas são muitas vezes vagos, mal compreendidos e associados a outros fatores menos graves e mais comuns, o que muitas vezes leva a que o diagnóstico seja feito numa fase muito tardia da doença.

 

Os sintomas são: iterícia (cor amarelada da pele), depressão, náuseas, dor abdominal, dor na coluna dorsal, perda de peso inexplicável, alterações nos hábitos intestinais, trombose venosa profunda, aparecimento de diabetes de início recente não associada a aumento ponderal. Esta doença está também associada a hábitos como alimentação rica em gorduras, tabagismo, ingestão de álcool, peso elevado, diabetes, pancreatite crónica, idade e história familiar.

 

Todos os dias a nível mundial morrem 900 pessoas com a doença e 1000 novos casos surgem. Se nada for feito, estima-se que, em 2020, 418 mil novos casos serão diagnosticados e que o cancro do pâncreas seja a quarta causa de morte no mundo. Esta patologia revela-se como o cancro com a taxa de sobrevivência mais baixa entre os cancros mais graves.

 

VEJA TAMBÉM: MITOS DESMISTIFICADOS SOBRE O CANCRO

 

Durante muitos anos, o incremento na investigação nesta área no desenvolvimento de soluções e inovações, comparativamente a outros tipos de cancro, é muito menor. Para colmatar estas lacunas e melhorar a realidade da doença em diferentes aspetos, surgiu o movimento internacional World Pancreatic Cancer Coalition na qual a Europacolon Portugal é membro fundador e única representante em Portugal.

 

O objetivo do movimento surge exatamente para ajudar no aumento da informação e do conhecimento da população sobre a doença, alertando para os sintomas e fatores de risco, na sensibilização para o diagnóstico precoce mais rápido e eficaz, e também potenciar o incremento da investigação nesta área para melhorar o diagnóstico e desenvolver respostas para o tratamento. Este movimento está acessível através de múltiplas plataformas como por exemplo em http://www.worldpancreaticcancerday.org/

 

Saiba mais sobre o Cancro Pancreático em:

www.europacolon.pt

Linha de Apoio – 808 200 199

Artigo anterior

O que podem e não podem comer as grávidas

Próximo artigo

Não há idade para a dança… vídeo português vence prémio internacional