Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Campanha ‘Olhe Pelas Suas Costas’ alerta para os perigos dos mergulhos

Campanha ‘Olhe Pelas Suas Costas’ alerta para os perigos dos mergulhos

Os especialistas alertam para o facto de os mergulhos poderem causar danos irreversíveis na coluna vertebral.

Pinterest Google+
PUB

Com o início do verão, chegam as idas frequentes à praia ou à piscina. A campanha ‘Olhe Pelas Suas Costas’ alerta para os perigos dos mergulhos, salientando que estes podem provocar lesões irreversíveis na coluna vertebral e ter um impacto significativo na qualidade de vida.

 

«É importante sensibilizar toda a população para os riscos associados aos mergulhos durante a época balnear, ainda que estas situações sejam mais frequentes na população mais jovem. Um mergulho mal-executado ou em locais onde a profundidade da água não é suficiente pode significar uma lesão permanente na coluna com um grande impacto na qualidade de vida, e é fundamental que as pessoas saibam quais as consequências potenciais destes erros», alerta Paulo Pereira, coordenador nacional da campanha.

 

Veja  a galeria: Os melhores parques aquáticos do mundo

 

Os traumatismos da coluna cervical relacionados com mergulhos são a terceira causa de lesões na espinal medula, a seguir aos acidentes de viação e às quedas de grandes alturas.

 

De acordo com o neurocirurgião Paulo Pereira, «todos os anos surge um número elevado de internamentos de jovens, na sua maioria do sexo masculino, vítimas de acidentes de mergulho em águas rasas. Estes são tipicamente aqueles mergulhos em que a vítima corre até à água do mar, mergulha e bate com a cabeça na areia ou numa rocha que estava encoberta sob a superfície da água, provocando um traumatismo da coluna cervical que pode ter como desfecho uma paraplegia ou tetraplegia».

 

Veja  a galeria: Dicas de saúde para viajar com crianças

 

A campanha ‘Olhe pelas Suas Costas’ visa sensibilizar a população em geral para as dores nas costas, alertar para as suas consequências na vida pessoal e profissional dos portugueses, e educar sobre as formas de prevenção e tratamento existentes. A campanha conta com o apoio científico da Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral, da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, da Sociedade Portuguesa de Neurocirurgia, da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação e da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia.

 

Artigo anterior

Magda Roma: «A indústria alimentar está cada vez mais promíscua»

Próximo artigo

Os melhores rooftops de Lisboa