Home»GLAMOUR»BELEZA»Cai a folha, cai o cabelo: dermatologista tira todas as dúvidas

Cai a folha, cai o cabelo: dermatologista tira todas as dúvidas

Chega a esta altura do ano e são comuns as queixas de queda de cabelo. É normal? É possível prevenir esta situação? Que tipos de tratamentos existem? Cristina Claro, dermatologista no Hospital Egas Moniz, tira estas e outras dúvidas e esclarece ainda alguns mitos relacionados com o cabelo.

Pinterest Google+

Existem realmente alturas do ano em que cai mais cabelo?

Sim, não em todas as pessoas, mas em muitos indivíduos ocorre mais queda no fim do verão/início do outono.

 

O que mais motiva a queda de cabelo? As razões são as mesmas para homens e mulheres?

A queda de cabelo é uma queixa comum e é uma manifestação de um leque muito variado de situações ou de doenças. Assim, é difícil responder, mas poderia dizer que, nas pessoas que procuram o médico pela queda de cabelo, a causa mais frequente nos homens é a alopecia androgenética (calvície), que é geneticamente determinada, e nas mulheres o deflúvio telogénico, em que a queda de cabelo é mais difusa e acontece em resposta a uma grande variedade de fatores, internos ou exteriores, como por ex. stress ou toma de medicamentos, entre outros.

 

Diariamente perde-se cabelo. O que pode ser considerada uma quantidade aceitável e durante quanto tempo?

A queda de cabelo é fisiológica (isto é, normal) e acontece de forma continuada. Na ausência de qualquer anomalia do cabelo ou do couro cabeludo é considerada normal uma perda de até 50-100 cabelos por dia, com variações ao longo do tempo.

 

A queda de cabelo é característica da idade. Como se pode prevenir a queda de cabelo, em homens e mulheres?

Com a idade há alguma redução no número total de folículos pilosos (logo de cabelos) no couro cabeludo, mas as alterações mais significativas com o avançar da idade ocorrem por diminuição da dimensão e atrofia dos folículos (miniaturização), relacionadas com a alopecia androgenética. Os tratamentos para a alopecia androgenética podem atrasar ou reverter esta involução dos folículos, mas devem ser feitos em continuidade, pois se interrompidos a natureza segue o seu curso. De qualquer forma, alguma perda de cabelo existirá sempre, é inevitável, faz parte do envelhecimento.

 

Qual o papel da alimentação para evitar a queda do cabelo? Quais os alimentos a privilegiar?

O fundamental é seguir uma dieta equilibrada e variada de modo a que não existam défices nutricionais. Para além de vitaminas é importante que o regime alimentar forneça proteínas e ferro em quantidade suficiente, o que pode não acontecer, por ex., em dietas vegetarianas muito restritivas.

 

Existem três fases de crescimento do cabelo. Pode descrevê-las?

Ao longo da vida os nossos folículos pilosos sofrem ciclos repetitivos de crescimento e repouso, em que uma fase de crescimento (anagénese) é seguida por uma fase de transição (catagénese), ficando depois o folículo em repouso durante a restante fase do ciclo (telogénese). A duração da catagénese e da telogénese é relativamente constante, enquanto a duração da anagénese varia consideravelmente, determinando o tamanho que o cabelo pode atingir. No couro cabeludo a anagénese pode durar entre 3 a 7 anos, e em condições normais 85-90% dos cabelos estão nesta fase. Na catagénese o crescimento do cabelo para e esta fase dura cerca de 3 semanas; menos de 1% dos folículos do couro cabeludo estão em catagénese. A telogénese segue a catagénese e dura 2-3 meses no couro cabeludo; nesta fase o cabelo é expelido do folículo, que fica vazio de cabelo até à próxima anagénese.

 

Os tratamentos contra a queda do cabelo devem ter estas fases em questão? Como funcionam?

Sim, os tratamentos para a queda do cabelo podem ter como mecanismo de ação prolongar a anagénese, diminuir a duração da telogénese ou aumentar o nº de folículos em anagénese, entre outros mecanismos.

Artigo anterior

Tendências de bem-estar para 2018: do poder do silêncio à arquitetura renovada

Próximo artigo

Alimentos que fortalecem o sistema imunitário