Home»GLAMOUR»CELEBRIDADES»Bryan Adams está de volta

Bryan Adams está de volta

“Get up” é o mote dado por Bryan Adams que, ao fim de uns anos de espera, lançou para os fãs este novo álbum repleto de músicas contagiantes

Pinterest Google+
PUB

 

“Get Up” é o 13.º álbum de estúdio do artista canadiano e foi produzido por Jeff Lynne, o célebre vocalista dos ELO (Electric Light Orchestra) e coescrito com Jim Vallance, colaborador de longa data de Bryan Adams.

 

Composto por 13 faixas, o álbum traz nove canções originais, quatro versões acústicas, produzidas pelo próprio Bryan Adams, resultando num «conjunto muito sólido de temas rock», descreve a editora Universal, em comunicado enviado à imprensa.

 

O novo disco conta com temas como “Brand New Day” e “You Belong to Me” que relembram o estilo que tornou Bryan Adams num artista único nos anos 80, época em que foram lançados sucessos como “Heaven” e “Summer of ’69”.

 

«Ao longo dos últimos anos, fui trabalhando canção a canção com o Jeff, sempre que ele tinha tempo. Foi uma parceria incrível e que me deu muito tempo para compor as canções, a maioria em colaboração com Jim Vallance. Todos nós fomos trabalhando nisto a partir do Canadá, da Europa e de Los Angeles, enviando demos e partes de canções uns aos outros pela Internet até que ficassem bem», descreve o músico no mesmo comunicado.

 

O videoclipe do tema “Brand New Day”, que deverá ser lançado já em novembro, foi realizado pelo próprio músico e conta com a participação da atriz Helena Bonham Carter e o cantor Theo Hutchcraft (da dupla Hurts).

 

“Este é o álbum que eu gostaria de ter conseguido fazer há 25 anos”, disse Adams no comunicado, descrevendo “Get Up” como descontraído, roqueiro e retro.

 

As composições que fez para Hollywood no início da sua carreira renderam alguns dos seus maiores hits, como “(Everything I Do) I Do it for You”, a canção-tema do filme “Robin Hood – O Príncipe dos Ladrões”, de 1991.

 

Bryan Adams já vendeu mais de 65 milhões de discos em todo o mundo e conquistou inúmeros prémios. A mutação constante nas preferências musicais do público foi algo a que nunca deu muita atenção, pois prefere concentrar-se na sua arte e música.

 

Artigo anterior

Tamanho do cérebro não dita se somos mais ou menos inteligentes

Próximo artigo

Roupa doce… de açúcar