Home»FOTOS»Brincar na areia: cuidados a ter para os mais novos desfrutarem ao máximo

Brincar na areia: cuidados a ter para os mais novos desfrutarem ao máximo

Durante os meses de férias, a praia é uma das opções mais escolhidas pelas famílias, não só porque a vitamina D é essencial, mas também porque este é um dos sítios preferidos dos mais novos, principalmente pelos castelos na areia, os jogos de futebol e os mergulhos no mar. Mas o sol não é o único perigo a que as crianças estão expostas durante um dia de praia. Os dermatologistas João Aranha e Helena Toda Brito dizem-lhe quais os cuidados que se devem ter com as crianças durante estas brincadeiras.

Pinterest Google+

Segundo a Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia, desfrutar do sol é muito importante, no entanto, deve ter em atenção que os raios ultravioleta não vêm apenas “de cima” mas de todos os lados e que mesmo à sombra é importante ter cuidados, especialmente quando estamos a falar de crianças.

 

Três horas debaixo de um guarda-sol, equivalem a cerca de uma hora diretamente ao sol, tendo isto em conta, é importante perceber quais as melhores alturas para estar na praia. «Antes de mais é preciso notar que brincar na areia é muito bom para o desenvolvimento das crianças», defende o dermatologista João Aranha que aconselha que «para evitar os problemas da exposição excessiva aos raios ultravioleta, o horário ideal é de manhã até às 11h, 11h30 e à tarde a partir das 16h».

 

As queimaduras solares são conhecidas como o perigo mais frequente e «podem ter consequências nefastas a curto e a médio ou longo prazo, como a desidratação e o cancro da pele, nomeadamente o melanoma que é muitas vezes agressivo e que está com uma incidência crescente, incluindo nos adultos e nos jovens. As queimaduras solares na infância estão diretamente relacionadas com este aumento», explica João Aranha.

 

VEJA TAMBÉM: PRAIAS PORTUGUESAS A NÃO PERDER NESTE VERÃO

 

No entanto, há que reconhecer que não são elas o único perigo a que as crianças estão expostas durante um dia de praia. A dermatologista Helena Toda Brito alerta que «as infeções são um dos perigos pois a areia é um reservatório para muitos microrganismos (bactérias, fungos, vírus, parasitas), alguns dos quais podem provocar infeções nos humanos. O risco de contaminação é maior na areia seca (a água salgada elimina os microrganismos) e em locais frequentados por animais (cães, gatos, ratos, aves)».

 

Segundo Helena Toda Brito, «as picadas, os cortes, provocados pelo lixo deixado na areia e as alergias que podem ser causadas até pelo protetor solar ou pela exposição ao sol», são outros fatores a que se devem prestar atenção.

 

Depois de informado sobre os riscos a melhor forma de agir é tentar preveni-los. No que toca à questão da exposição solar «o horário é fundamental. Devemos também ter consciência que o vestuário e o uso do chapéu faz parte dos cuidados, sendo o protetor solar complementar. Deve beber-se água generosamente e é preferível fazer vários períodos de brincadeira do que um só muito prolongado», explica o dermatologista. Já Helena Toda Brito acrescenta ainda que «a ingestão de fruta e sumos em quantidade adequada é também importante para evitar a desidratação e que a aplicação do protetor solar com fator 50+ deve ser reaplicado a cada 2 horas e sempre que transpirar ou for à água».

 

VEJA TAMBÉM: TAPADA GRANDE, UMA PRAIA FLUVIAL MULTIFACETADA

 

Em relação ao risco de infeções «deve-se procurar brincar em zonas de areia menos contaminadas, a areia húmida à beira-mar é preferível à areia seca, optar por locais com menor presença de animais e utilizar roupa protetora, cobrindo o tronco, braços e pernas e utilizar calçado próprio, bem como uma tolha ou banquinho para instalar a criança. Estas devem ser instruídas a lavar as mãos antes de tocar nos alimentos e fazer uma higiene adequada da pele assim que possível após o contato com a areia».

 

A dermatologista refere ainda que «as picadas podem ser prevenidas evitando locais conhecidos por terem maior concentração de mosquitos e através da utilização de vestuário e, se necessário, de repelentes, indicados só a partir dos 6 meses de idade».

 

Ao final do dia, um banho e uma loção hidratante restabelecem a pele de toda a agressividade a que esteve sujeita. E com noção dos perigos e ferramentas para os evitar é mais fácil desfrutar dos dias de praia com os mais novos sem os impedir de brincar à vontade. Veja tudo na galeria no início do artigo.

Artigo anterior

Fonte da juventude: cortar em 15% das calorias atrasa envelhecimento

Próximo artigo

Maior evento de terapias alternativas realiza-se de 6 a 8 de setembro em Lisboa