Home»BEM-ESTAR»CORPO»Boa nutrição tem mais influência sobre os ossos do que o exercício físico

Boa nutrição tem mais influência sobre os ossos do que o exercício físico

Uma das perguntas mais colocadas por cientistas e especialistas em fitness é qual o fator de maior influência na boa condição física: o exercício ou a nutrição. Ambos são importantes, mas especificamente sobre os ossos a nutrição parece vencer esta batalha, segundo um novo estudo realizado nos EUA.

Pinterest Google+
PUB

Segundo um grupo de investigadores da Universidade do Michigan, EUA, a nutrição tem um maior impacto na força e na massa muscular do que o exercício físico, apesar de ambos serem importantes para a boa manutenção da condição óssea.

 

Esta conclusão foi alcançada depois de um estudo feito com ratos de laboratório, onde compreenderam que uma boa nutrição, acompanhada por um suplemento mineral, tem um impacto maior na massa e na força óssea. Isto porque, após um treino físico concluído, os ratos testados mantiveram os ganhos ósseos devido a uma dieta fortalecida.

 

VEJA TAMBÉM: OS SUPERALIMENTOS QUE O VÃO AJUDAR NO DESPORTO

 

«Uma dieta com suplementos minerais tem, a longo prazo, um aumento na massa e na força óssea. E com capacidade de manter estes aumentos, mesmo no final do treino», conta David Kohn, professor na Universidade do Michigan. «Isto foi feito com ratos, mas podemos pensar na transposição em humanos. Esta dieta pode ser muito útil nas pessoas que estão a envelhecer e não se podem exercitar», conclui o investigador.

 

Os outros estudos realizados costumam analisar os efeitos do aumento do cálcio na dieta. Neste estudo, os investigadores de Michigan quiseram saber quais são os benefícios do cálcio e do fósforo e descobriram que estes são bastante benéficos.

 

VEJA TAMBÉM: TREZE MANEIRAS DE CONTROLAR A RETENÇÃO DE LÍQUIDOS

 

Com isto não querem dizer que se deve sair de imediato para adquirir suplementos de cálcio ou fósforo, mas é, para Kohn, um bom início para se saber o efeito que tem nos humanos. Os seres humanos atingem o seu pico ósseo nos primeiros 20 anos de vida e depois disto costuma-se assistir a um declínio. O que as investigações agora pretendem compreender é como se deve maximizar a quantidade de osso quando jovem.

 

Para além de testar a massa e a força óssea, os investigadores da Universidade do Michigan realizaram uma bateria completa de avaliações aos ossos. Estas avaliações foram importantes para compreender a qualidade dos ossos ao fim de oito semanas de treino. Este estudo foi publicado online no PLOS One.

 

 

 

 

 

Artigo anterior

Parlamento Europeu proíbe plástico descartável até 2021: conheça a estratégia

Próximo artigo

Miomas uterinos: os tratamentos que existem