Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Bivalves: novo sistema português consegue identificar origem geográfica e proteger saúde pública

Bivalves: novo sistema português consegue identificar origem geográfica e proteger saúde pública

Um teste criado pela Universidade de Aveiro consegue confirmar a origem geográfica dos bivalves e evitar, assim, que cheguem ao prato dos portugueses bivalves com risco para a saúde pública.

Pinterest Google+
PUB

Através de uma simples análise química das conchas e dos tecidos dos bivalves, uma equipa de biólogos da Universidade de Aveiro (UA) descobriu ser possível confirmar exatamente a origem geográfica dos organismos comercializados.

 

O teste, de forma rápida, barata e segura, promete facilitar o combate ao comércio ilegal que anualmente coloca no mercado mundial milhões de toneladas de bivalves com risco para a saúde pública. Na Galiza, onde estão alguns dos maiores produtores de bivalves, já estão de olho no ‘detetive’ de bivalves da UA.

 

VEJA TAMBÉM: APRENDA A FAZER TIBORNA DE FILETES DE CAVALA COM MOLHO DE PIMENTOS

 

«A ferramenta que desenvolvemos utiliza marcadores naturais, comos os elementos químicos ou os ácidos gordos, que estão presentes, respetivamente, nas estruturas calcárias ou nos próprios tecidos dos bivalves, e que registam as alterações ambientais dos ecossistemas em que os organismos vivem até à sua captura», explica o investigador Ricardo Calado, autor do trabalho juntamente com Fernando Ricardo e Rosário Domingues.

 

Na posse dessas ‘impressões digitais’ os investigadores do Departamento de Biologia da UA, e consequentemente o setor aquícola e os órgãos fiscalizadores, conseguem perceber se a informação referente ao local de origem indicada pelos diferentes envolvidos na comercialização de bivalves é ou não verdadeira.

 

VEJA TAMBÉM: OS BENEFÍCIOS DE BEBER ÁGUA ALCALINA

 

Os bivalves alimentam-se por filtração de água, podendo por isso acumular microrganismos e toxinas presentes no meio ambiente. Estes, quando em níveis elevados, poderão causar graves intoxicações alimentares. Quando assim acontece, a captura é interditada pelas autoridades sanitárias.

 

Nada que demova a florescente apanha ilegal e a posterior falsificação do local de origem dos organismos. Só em Portugal, alerta Ricardo Calado, “podemos estar a falar de alguns milhares de toneladas de bivalves por ano, nomeadamente ameijoa japonesa e berbigão, que são apanhadas e transacionadas de forma ilegal”.

Artigo anterior

As joias que brilharam nos Óscares 2018

Próximo artigo

UNICEF: casamento infantil diminui, mas 150 milhões de meninas deverão casar-se até 2030