Home»VIDA»CARREIRA»Bio Boards permite-lhe apanhar ondas em terra

Bio Boards permite-lhe apanhar ondas em terra

Este é um projeto amigo do ambiente, com uma ideologia totalmente verde. Fazendo uso de um dos maiores recursos portugueses, a cortiça, as tábuas da Bio Boards aguentam cerca de 655Kg de pressão até começarem a ceder.

Pinterest Google+

Formou-se em Engenharia do Ambiente, mas foi na produção de artigos de surf que encontrou a sua praia. Ricardo Marques é o fundador da Bio Boards, uma marca cujos produtos estão direcionados para o mercado do surf e que foi, em 2016, um dos 10 projetos finalistas do Prémio Nacional das Indústrias Criativas, no qual receberam uma Menção Honrosa por parte do júri.

 

Ao regressar do Rio de Janeiro, Brasil, onde esteve a estudar, Ricardo trouxe consigo o desejo de criar algo autêntico e português para o surf. «Fui fazendo algumas experiências e, sem querer, tropecei naquilo que hoje são as Bio Boards», conta.

 

Veja também: Os millennials e o exercício físico

 

A verdade é que Ricardo tinha o gosto por este mundo, mas na prática sabia pouco ou nada sobre a técnica. Nunca tinha feito uma prancha na vida, mas acreditou no sucesso do projeto e dedicou-se até conseguir fazer algo bom, «sempre evoluindo através da tentativa e erro», até alcançar o primeiro protótipo da Bio Boards.

 

Esta é uma marca que une duas das paixões do fundador, pois está intimamente ligada ao surf e à sustentabilidade ambiental. Há um cuidado e uma preocupação acrescidos para que todos os produtos sejam produzidos com o mínimo impacto ambiental possível e, para tal, recorrem por excelência à cortiça portuguesa.

 

Veja também: Usos intrigantes do botox

 

A marca preza pela máxima utilização de componentes ‘green’ em todos os seus produtos. «A cortiça é uma das matérias-primas mais ‘verdes’ do planeta, e aquela que utilizamos advém de rolhas de garrafa e de outros restos do mesmo material», partilha.

 

Quanto a esta questão, o engenheiro ambiental ressalva ainda que apenas um sobreiro, durante o seu período de vida, é capaz de reter mais de 640Kg de CO2 da atmosfera. Para além disso,  depois de se retirar a cortiça do sobreiro, este não é abatido e fica imediatamente apto para um novo ciclo de produção de cortiça.

Artigo anterior

Tatuagens podem dificultar deteção de problemas de pele graves

Próximo artigo

Filha de Michael Jackson revela depressão e múltiplas tentativas de suicídio