Home»FOTOS»Bexiga hiperativa afeta 1.7 milhões de portugueses acima dos 40 anos

Bexiga hiperativa afeta 1.7 milhões de portugueses acima dos 40 anos

Campanha nacional visa alertar para um problema muitas vezes subdiagnosticado e que está associado a uma diminuição significativa da qualidade de vida. O objetivo da iniciativa ‘Na Bexiga Mando Eu’ é mostrar que é possível voltar a ter o controlo da situação.

Pinterest Google+
PUB

E, para além desta, existem medidas adicionais que podem ser tomadas dentro e fora de casa, para evitar o problema. «Há medidas gerais que melhoram estes sintomas, como a perda de peso e os exercícios do pavimento pélvico. Em casa, é possível realizar treino vesical – que consiste em tentar pouco a pouco atrasar a micção – ou micção por horário – que tem o objetivo de ‘educar’ a bexiga a acomodar maior quantidade de urina. Quando a pessoa tem de sair de casa por longos períodos é importante tomar algumas medidas preventivas como, por exemplo, saber com antecedência a localização das casas de banho, reduzir a ingestão de líquidos, evitar medicamentos diuréticos e evitar alguns alimentos que agravam estes sintomas como, por exemplo, adoçantes artificiais, alimentos picantes, bebidas alcoólicas ou com cafeína, sumos de citrinos e bebidas gaseificadas». Veja mais medidas preventivas práticas na galeria acima.

 

VEJA TAMBÉM: QUANDO A URINA EM EXCESSO SE TORNA UM PROBLEMA

 

Muitas vezes subdiagnosticada por constrangimento de falar com o médico sobre o problema urinário ou por associar-se a uma condição normal da idade, a verdade é que se revela importante informar que existem todas estas medidas que podem mostrar o caminho certo para controlar a doença, reduzindo a ansiedade e dando uma sensação de maior controlo.

 

É neste sentido que surge a campanha ‘Na Bexiga Mando Eu’. Trata-se de uma ação para a população em geral que disponibiliza informação sobre a bexiga hiperativa, contém conselhos sobre a gestão da patologia, e onde se pode inclusivamente efetuar um questionário de autoavaliação que a pessoa poderá levar à consulta médica, para validar o diagnóstico. Saiba mais aqui.

 

VEJA TAMBÉM:

INCONTINÊNCIA URINÁRIA E BEXIGA HIPERATIVA

BERCINA CANDOSO: «A INCONTINÊNCIA URINÁRIA CONTINUA A SER UMA EPIDEMIA ESCONDIDA»

ESTÊVÃO LIMA: «PRATICAMENTE TODAS AS PRÓSTATAS VÃO CRESCER, EM PRINCÍPIO, POR FATORES GENÉTICOS»

Artigo anterior

As vantagens de ter relações sexuais todos os dias

Próximo artigo

Algoritmos informáticos detetaram propagação de cancro da mama melhor que patologistas