Home»FOTOS»Bexiga hiperativa afeta 1.7 milhões de portugueses acima dos 40 anos

Bexiga hiperativa afeta 1.7 milhões de portugueses acima dos 40 anos

Campanha nacional visa alertar para um problema muitas vezes subdiagnosticado e que está associado a uma diminuição significativa da qualidade de vida. O objetivo da iniciativa ‘Na Bexiga Mando Eu’ é mostrar que é possível voltar a ter o controlo da situação.

Pinterest Google+

Estima-se que, em Portugal, cerca de 1,7 milhões de portugueses com mais de 40 anos de idade sofram de bexiga hiperativa, que se caracteriza por um conjunto de sintomas como a urgência miccional, o aumento da frequência urinária, a nocturia (acordar de noite para urinar) e frequentemente incontinência urinária.

 

Em muitos casos, desconhece-se a causa exata da contração involuntária associada à bexiga hiperativa, podendo resultar de problemas no sistema nervoso ou ter outras causas.  «A queixa principal é a de uma necessidade imperiosa de urinar que por vezes é impossível de controlar e pode causar incontinência, sobretudo em mulheres. A bexiga hiperativa é muito frequente, estimando-se que possa afetar até cerca de 17% das pessoas em idade adulta. O diagnóstico é importante para que a pessoa possa ter acesso à terapêutica apropriada. Felizmente hoje temos muitas opções terapêuticas que permitem tratar eficazmente a bexiga hiperativa», explica à MOOD Miguel Silva Ramos, urologista do Centro Hospitalar do Porto e membro da direção da Associação Portuguesa de Urologia.

 

Embora não se costume considerar um problema grave, a bexiga hiperativa está associada a uma diminuição significativa na qualidade de vida. «A frequência urinária e a imprevisibilidade das situações de urgência miccional podem levar a um isolamento social», explica o médico. Veja abaixo o vídeo da campanha ‘Na Bexiga Mando Eu’ que ilustra este problema o dia a dia.

 

Porém, o controlo da bexiga hiperativa é possível com o tratamento apropriado. «A medicação é muito importante no controlo dos sintomas. Existem medicamentos que relaxam a bexiga – permitindo que esta acumule mais urina – e medicamentos que diminuem a produção de urina, que são muito úteis em situações como festas e viagens», explica o médico.

Artigo anterior

As vantagens de ter relações sexuais todos os dias

Próximo artigo

Estâncias de ski para visitar na Europa