Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Autocuidado durante a gravidez: inspirações ayurvédicas para a gestação

Autocuidado durante a gravidez: inspirações ayurvédicas para a gestação

Na Ayurveda, a gravidez é vista como um momento muito especial e espiritual na vida de uma mulher. É frequentemente relatado que a aura da mulher grávida é particularmente luminosa e dourada - esta é a explicação da Ayurveda para o conhecido e intangível "brilho da gravidez". Este é um momento em que as habilidades intuitivas da mulher ficam particularmente altas e a meditação e outras práticas espirituais são altamente recomendadas.

Pinterest Google+

A gravidez também pode ser um momento desafiador da vida, pois o corpo da mãe passa por inúmeras mudanças, a fim de criar e apoiar o desenvolvimento de uma nova vida. É por isso importante equilibrar o Vata, que é a energia do ar e do espaço, que domina o sistema nervoso, e articula e ajusta as mudanças no nosso corpo. O Apana Vata, em particular, é o fluxo de energia em movimento descendente no corpo, que intervém fortemente no parto, e que não deve ser muito forte nem muito fraco ao longo da gravidez. O distúrbio emocional mais comum causado pelo excesso de Vata é a ansiedade, que tem a tendência para desequilibrar o Apana Vata em particular. Uma alimentação correta, descanso e óleo de massagem são habitualmente prescritos para restaurar o equilíbrio.

 

Na Ayurveda são feitas recomendações e ajustes de acordo com o desenvolvimento do bebé, mês a mês. Estas recomendações são acompanhadas de sugestões para alimentação, rotina diária, yoga asanas, meditação e fitoterapia. Descrição mês a mês da gravidez usando textos clássicos e pesquisas atuais:

 

Mês 1: é gerada uma substância gelatinosa, do qual o embrião é formado, e após ter viajado pela trompa de Falópio, incorpora o revestimento grosso do útero, onde se liga aos vasos sanguíneos da mãe. A fertilização e implantação na parede uterina ocorrem. O cérebro, o coração e a medula espinhal do bebé começam a formar-se. O bebé tem 12,7mm de comprimento. A Ayurveda recomenda que a gestante consuma comida saudável de manhã e à noite. Beba leite regularmente; pode ser tomado frio (o que aumenta o Kapha, e a construção dos tecidos).

 

Mês 2: As moléculas de ar, fogo, terra, água e éter são acionadas por Pitta, Vata e Kapha – uma forma alongada indica uma fêmea, uma aparência semelhante a um nódulo indica um macho, e uma forma semelhante a um tumor indica ausência de sexo.’ O embrião flutua num saco cheio de líquido; tem um cérebro simples, coluna vertebral e sistema nervoso central. Os sistemas digestivo e respiratório começam a desenvolver-se. O coração do bebé começa a bater, e o sangue a circular, o tubo neural ao longo das costas do bebé fecha-se, o cordão umbilical aparece e os dedos formam-se. A gestante deve consumir leite cozido com ervas com sabor doce. No decorrer da sexta semana, ocorre a ancoragem da Alma que vai encarnar.

 

Mês 3: Aparecem todos os sentidos e os membros, bem como os seus órgãos. Aparecem os nódulos que formarão as mãos, as pernas e a cabeça. O feto possui todos os órgãos dos sentidos e também membros completamente formados, incluindo os dedos das mãos e dos pés. O movimento começa, os neurónios multiplicam-se, o sexo pode ser aparente e as unhas das mãos e dos pés aparecem. O bebé tem 7,62cm de comprimento e pesa 22,7 gramas. Recomenda-se a toma de leite misturado com mel e ghee, e de arroz sastika com leite. O arroz sastika é untuoso, doce, fácil de digerir, frio, pacifica o Vata, o Pitta e o Kapha, e permanece por muito tempo dentro do sistema digestivo.

 

Mês 4: a mãe sente excesso de peso no seu corpo devido à estabilização do feto. Todos os membros e órgãos tornam-se mais distintos; um visco do coração permite que a consciência se forme. Os desejos do coração são assim manifestos à mãe e devem ser seguidos para que o bebé nasça bem formado. O feto tem pescoço, e articulações nos braços e pernas. Os ossos duros começam a desenvolver-se. O bebé flexiona e chuta, os efeitos hormonais são aparentes, a pele começa a formar-se e as expressões faciais são possíveis. O bebé tem entre 4 a 5 centímetros de comprimento e pesa pouco menos de 85 gramas. A gestante deve consumir leite com 12g de manteiga, arroz sastika com coalhada, e sopa feita com carne de animal selvagem.

 

Durante o mês de 4º mês, é importante que a mãe tenha um relacionamento feliz, especialmente com o pai. Isso ocorre porque o coração desenvolve-se como sede da consciência. Se houver distúrbios durante esse período, o coração do bebé poderá desenvolver defeitos. Antes desse tempo o bebé está conectado apenas por projeção astral, contudo após esse período o corpo mental do bebé fica conectado ao corpo físico.

 

Mês 5: Há um aumento na carne e no sangue do feto; a mãe pode ficar mais magra. O feto ancora a mente (manas) e acorda do seu sono de existência subconsciente. O feto é bastante ativo, chutando e girando. Os órgãos sexuais são visíveis e há uma cobertura fina e peluda chamada lanugo que se desenvolve. As reservas de gordura começam a desenvolver-se, o bebé começa a ouvir, o movimento começa a acontecer, a urina é produzida e as sobrancelhas aparecem. O bebé tem 15cm de comprimento e pesa cerca de 255g.  Recomenda-se que a gestante inclua o ghee, arroz sastika com leite, e leite com ghee na sua alimentação.

 

Por volta do mês de 5º mês, o umbigo da mãe começa a projetar-se. O ponto do umbigo é onde 72.000 terminações nervosas (nadis) se unem logo abaixo do umbigo. Essas terminações nervosas ficam mais expostas às vibrações externas. A capacidade da mãe de sentir o seu ambiente e as pessoas ao seu redor fica amplificada. Essa sensibilidade precisa ser respeitada e usada como método de proteção para a mãe e para o bebé.

Artigo anterior

Aprenda a fazer tiborna de filetes de cavala com molho de pimentos

Próximo artigo

Dia Mundial da Terra: há 50 anos a alertar para as causas ambientais