Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Autoajuda: revela determinação ou medo?

Autoajuda: revela determinação ou medo?

Pinterest Google+

Que se acabe o mito de que a forca de carater se revela por uma total imunidade ao insucesso e ao sofrimento!

 

Quando alguém tem uma vida proativa, em que investe em experiencias e relações, é inevitável que ocorram episódios em que as coisas não corram como desejado. Ocorrem também casos em que as pessoas sentem a vida de tal forma desorganizada que vivem num sofrimento constante, do qual não se conseguem livrar.

 

Algumas das situações poderão ser resolvidas sem ajuda, mas é inevitável que em determinados momentos surjam situações em que é inevitável requisitar ajuda. Mas já reparou como o pedido de ajuda é frequentemente vivido com desconforto? E daqui resulta uma peregrinação solitária e penosa pela vida.

 

“Quem pede ajuda são os fracos”

O preconceito que existe para com a necessidade de ajuda faz com que as pessoas se sintam inferiores e sem autoestima quando passam por dificuldades, evitando pedir ajuda porque “têm que saber desenrascar-se sozinhas”. É sempre mais fácil criticar do que ajudar e fantasiar que se está imune a problemas, certo? Não se submeta a opiniões destrutivas!

 

É verdade que deve manter-se uma postura que privilegie a autonomia, em que não se delegue nos outros as próprias responsabilidades, mas por vezes assumir a responsabilidade passa por perceber que por vezes há pessoas mais qualificadas para fazer o serviço!

 

“Ninguém me vai conseguir ajudar”

Se já tiver uma certa tendência para se sentir com pouco valor, talvez não seja boa ideia tentar valorizar-se pelos seus problemas. É improvável ter um problema fora do alcance de todos, mas talvez esteja a utilizar uma justificação para evitar o receio de confiar em alguém para cuidar de si. O sentimento de fragilidade pode não ser confortável, mas certamente que a ajuda existe para resolver essa questão. Naturalmente, pode já ter tido más experiências anteriormente, mas mais do que perder a esperança lembre-se que, entretanto, ganhou experiencia para fazer uma escolha mais acertada da pessoa indicada para o trabalho!

 

Lembre-se que só não sente quem não vive, e há momentos em que é natural que se sinta frágil, mas não se julgue, valorize as suas necessidades e tente perceber se a solução está totalmente ao seu alcance ou se necessita de algum tipo de ajuda para avançar com aquilo que for sua responsabilidade. Autoajuda é um conceito razoável se for entendido no sentido de esforçar-se pela sua autonomia, mas quando é vivido como uma forma de fugir ao medo de ser ajudado não promove soluções, leva à solidão.

 

Artigo anterior

LUMINA volta a iluminar Cascais

Próximo artigo

Modelo desfila na Semana de Moda de NY depois de um ataque com ácido