Sobre o Autor

Aline Castelo Branco

Aline Castelo Branco

Educadora sexual, terapeuta e youtuber. Escreve quinzenalmente à quarta-feira.

Um quinto dos adultos espia secretamente as contas de Facebook dos amigos

O problema não está na hora a que o outro volta para casa, mas na confiança que você tem (ou não) na capacidade de ele colocar limites. Por Aline Castelo Branco.
A atração é multifatorial: a beleza não está só nos olhos, mas também no nariz e no ouvido do outro

Andamos a beijar pouco. Pode parecer utopia, mas é uma afirmação que compõe a maioria dos relatos de mulheres dos 25 aos 55 anos. Por Aline Castelo Branco.
Dia Mundial do Sono: problemas do sono afetam vida sexual

Homens e mulheres precisam de entender que a dor da perda ou do abandono deve ser sentida, mas não eternamente. Por Aline Castelo Branco.
Relacionamento é igual a mala

Alguns objetos, inconscientemente, marcam o relacionamento. A mala é o primeiro. Grande, às vezes, não cabe em nenhum lugar, mas é de extrema importância numa viagem a dois. Por Aline Castelo Branco.
Como ser boa na cama (segundo uma educadora sexual)

A 31 de julho é comemorado o Dia Mundial do Orgasmo e, por isso, quero falar sobre as diversas variações de prazer. Por Aline Castelo Branco.
Dá um uso positivo ao seu passado?

Um obstáculo torna-se numa aprendizagem para as pessoas que sabem controlar as emoções. Por isso, neste artigo, resolvi falar de um amor através das metáforas do mestre Vinícius de Moraes. Brasileiro, criador da tal Bossa Nova. É uma analogia entre a sensibilidade e a explosão de sentimentos. Por Aline Castelo Branco.
Beijo à francesa afinal nasceu na Índia

O amor por outra pessoa, seja ela do mesmo sexo ou não, é algo que o ser humano procura a todo o momento. É um combustível necessário para que o indivíduo se sinta vivo. Por Aline Castelo Branco.
Como camuflar uma barriguinha

Às vezes é melhor estar sozinha do que em má companhia. Por Aline Castelo Branco.
Cinco factos surpreendentes sobre relacionamentos que provavelmente desconhecia

Depois de um bom tempo juntos, nós acostumamo-nos. Acostumamo-nos a acordar e presentear o companheiro com um beijo de bom dia, mesmo que ainda esteja sonolento. Por Aline Castelo Branco.