Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Astrologia: Como fazer quando não tem a sua hora de nascimento?

Astrologia: Como fazer quando não tem a sua hora de nascimento?

Consultar um astrólogo exige saber a hora de nascimento, para que a abertura das casas astrológicas e respetivos planetas esteja de acordo com o mapa de nascimento da pessoa. Mas muitas vezes confiamos na certidão de nascimento, que nem sempre corresponde a realidade, ou dizemos ao astrólogo a hora de nascimento aproximada, o que leva a erros de leitura, incluindo do seu ascendente.

Pinterest Google+

Sabia que temos uma técnica que, com a relação de acontecimentos na sua vida, acertamos em quase 99% das vezes a hora em que nasceu? Um profissional de astrologia faz o estudo e consegue com a sua prática encontrar a sua hora de nascimento, sendo ela crucial não só na leitura do mapa de nascimento como nas técnicas de previsão astrológica.

 

O que é necessário para a realização do acerto de hora?

Para calcular um mapa de nascimento é indispensável saber a data, hora e local de nascimento. É particularmente importante que a hora de nascimento esteja correta, pois é através da hora (e das coordenadas do local) que se determina o grau do signo ascendente. Basta a diferença de alguns minutos para que o ascendente mude um grau zodiacal; nalguns casos, pode mesmo mudar de signo. Para o efeito, precisa de preparar uma lista de datas com acontecimentos marcantes na sua vida, como mudança de casa, casamento, nascimento de filhos, entrada na faculdade, falecimento de um familiar direto, etc. Ao enviar essa lista, o astrólogo prepara o seu estudo e encontra a hora de nascimento, sendo o caminho seguro para a leitura e previsão do seu mapa astrológico.

 

Quando temos um nascimento com horário conhecido e levantamos um mapa natal, as casas têm (se é que podemos dizer assim) um valor absoluto, ou seja, a casa 1 representa a aparência, os começos e a autoimagem da pessoa como um todo, a casa 2 representa os seus recursos e formas de sustento e assim por diante. Todas as casas estarão referenciadas ao ascendente, e será ele a demarcar o início das casas astrológicas ou áreas de vida.

 

Quando trabalhamos com mapas solares, que acabam por ajudar quando não temos a hora de nascimento, podemos usar para outros fins mesmo que tenhamos a hora. Sabia que podemos colocar no ascendente o grau de Marte para saber como são as nossas iniciativas, lutas e esforços que se refletem e se corporificam nos outros planetas do mapa? Ou o Nodo do Norte, que nos mostra a memória do inconsciente, assim como as suas reminiscências? E que podemos colocar a Vénus, para mostrar a sua forma de obter recursos, e muito mais?

 

Ao colocarmos qualquer planeta criamos a sua derivação de acordo com o que pretendemos, ou seja, tudo na astrologia é um universo de conhecimento, mas vou-me focar um pouco no Sol para entender melhor, e porque é o mais conhecido.

 

Ao colocamos o grau do Sol como se fosse um “novo” Ascendente não consideramos as casas no seu sentido natural, mas como casas derivadas do Sol. Sendo este o princípio da identidade, da vontade e da criatividade num mapa, então as casas derivadas do Sol irão indicar sempre as possibilidades de expressão dessas qualidades solares. Assim, a casa 2 de um mapa solar mostra não apenas como a pessoa adquire bens e obtém o seu sustento, mas como faz isso a partir das suas qualidades solares. O Sol pode servir de Ascendente de um mapa que mostra como trabalhamos com as qualidades solares. Qualquer outro planeta pode ser utilizado como ponto de partida para a construção de mapas com casas derivadas cujo objetivo será mostrar como todo o mapa pode ser mobilizado a partir da perspetiva daquele planeta específico. Mas seja qual for a técnica que use colocando qualquer planeta no ascendente, é sempre crucial saber a hora de nascimento, para que a personalização do consultante seja adequada e detalhada para o mesmo.

 

 

Artigo anterior

Ideias para celebrar os Santos Populares em casa

Próximo artigo

Portugueses recorreram a sites de encontros durante a quarentena