Home»S-Vida»As sequelas que a COVID pode deixar

As sequelas que a COVID pode deixar

Estima-se que mais de 50% dos indivíduos após a infeção possam manter algum tipo de queixa, sendo os sintomas mais comum cansaço, dor crónica, dores musculares e falta de ar. Nalgumas situações estes sintomas podem apresentar-se de forma intensa ao ponto de condicionar incapacidade e impactar profundamente na qualidade de vida e na reinserção social e profissional.

Pinterest Google+
PUB

Desde o seu aparecimento no início do ano passado, a infeção pelo novo coronavírus tem representado um dos maiores desafios que a medicina moderna teve de enfrentar. A infeção é caraterizada por uma elevada transmissibilidade que a torna facilmente propagável na comunidade e uma grande variabilidade de apresentação relacionada com a idade e estado geral do indivíduo, mas também com fatores genéticos que faz com que a doença seja quase impercetível ou ligeira em muitos casos mas extremamente agressiva em outros obrigando ao internamento.

 

A via aérea representa o principal modo de transmissão do vírus de maneira que o aparelho respiratório é o principal órgão afetado pela doença. Se na maioria dos casos a infeção se manifesta com sintomas banais e mais comuns de febre, dor de garganta e tosse, o coronavírus ou a resposta do organismo ao seu ataque podem causar sintomas respiratórios graves predominantemente falta de ar e ameaçar outros órgãos de importância vital como coração, fígado, sistema nervoso.

 

O tempo médio de recuperação da infeção é estimado em cerca de 2 a 6 semanas, de acordo com a gravidade da doença, mas em alguns casos os sintomas podem prolongar-se muito além deste período, evoluindo para um quadro clínico atualmente reconhecido como síndrome pós-COVID-19. A probabilidade de desenvolver Síndrome pós-COVID-19 não parece estar relacionada com a gravidade da infeção ou com a necessidade de internamento.

 

Estima-se que mais de 50% dos indivíduos após a infeção possam manter algum tipo de queixa, sendo os sintomas mais comum cansaço, dor crónica, dores musculares e falta de ar. Nalgumas situações estes sintomas podem apresentar-se de forma intensa ao ponto de condicionar incapacidade e impactar profundamente na qualidade de vida e na reinserção social e profissional.

 

É importante nos casos em que não haja uma recuperação total que se procure ajuda médica ao fim de avaliar e estratificar a gravidade dos sintomas e orientar uma eventual investigação complementar para excluir danos ou sequelas orgânicas através, por exemplo, de análises ao sangue para verificar o estado de saúde dos rins ou do fígado, de imagem como a TAC ou funcionais como o exame do sopro ou da marcha. É fundamental não adiar a procura de resposta clínica e mesmo nos casos em que não existam sintomas após a infeção, é aconselhado procurar o seu médico para despiste de sequelas da infeção. A altura ideal para avaliar potenciais impactos e necessidades de reabilitação, qualquer que seja a apresentação clínica inicial, é entre as 6 a 8 semanas após a infeção aguda.

 

Existe a necessidade objetiva de instituir consultas de reavaliação após infeção aguda, até em modalidade de teleconsulta, que permitam através da utilização de inquéritos protocolizados a identificação e seleção de situações que mereçam seguimento a longo prazo ou investigação complementar, contando com a colaboração de múltiplas especialidades médicas. O médico deverá, caso a caso, determinar a necessidade de uma intervenção específica que inclua também um adequado suporte nutricional e um plano de treino de reabilitação respiratória. Deve ser também prioridade continuar a garantir a segurança dos doentes através da implementação e manutenção das habituais medidas de controlo de infeção para que o medo não atrase cuidados de saúde inadiáveis.

 

Por Michele De Santis

Pneumologista no Hospital CUF Coimbra

 

Artigo anterior

Obras de arte do MoMA espelhadas em relógios

Próximo artigo

Um terço das espécies de peixes de água doce do mundo em risco de extinção