Home»ATUALIDADE»ENTREVISTAS»As joias de Valentim Quaresma

As joias de Valentim Quaresma

Quis ser ginasta, mas foi na joalharia e na escultura que deu forma aos seus desejos. Valentim Quaresma distingue-se pela originalidade e começa cada vez mais a ser notado pela sua arte, nacional e internacionalmente.

Pinterest Google+
PUB

Tudo começou por mero acaso, quando, com cerca de 16 anos, andava à procura de emprego e foi parar a uma oficina de acessórios de moda. O gosto pela arte instalou-se e Valentim Quaresma decidiu procurar mais formação na área, e ingressou no ARCO – Centro de Arte e Comunicação Visual. Trabalhou 22 anos com Ana Salazar e tem no seu currículo um prémio internacional ambicionado por muitos joalheiros. Conheça o percurso de Valentim Quaresma.

 

Foste um dos dez artistas portugueses escolhidos para representar Portugal no Tribunal de Contas Europeu, já tiveste uma exposição no MUDE – Museu do Design e da Moda e tens sido convidado para várias exposições. É o reconhecimento do teu trabalho.

 

Sim, sobretudo desde 2008, quando ganhei o prémio internacional, as coisas começaram a ter outra projeção. É um prémio super reconhecido internacionalmente e ao qual concorrem designers de todo o mundo. É um dos maiores prémios, tanto ao nível monetário como de reconhecimento de trabalho.

 

Em relação a teres sido um dos 10 artistas portugueses escolhidos este ano para representar Portugal no Tribunal de Contas Europeu, o que isso significou?

É sempre lisonjeador expor no estrangeiro, nomeadamente no TCE que é uma instituição de peso. E representar Portugal ainda mais. Em termos de carreira, é somar mais pontos favoráveis.

 

Como consideras a tua arte: mais joalheiro, mais escultor?

Tenho várias vertentes. A joalharia mais comercial, a tal que dá para usar no meio da rua. É claro que quando preparo os desfiles há sempre uma parte do conceito mais forte que passa para o desfile. No desfile também se quer projectar mais imagem. Ao trabalhar em joalharia, para um desfile tenho mesmo e aumentar a dimensão das peças para que elas sejam visíveis. Depois há a parte de escultura também como outra vertente do meu trabalho.

 

Vendes onde?

Em Portugal, Bélgica, França, Inglaterra e Itália. Na loja online e em lojas em Lisboa. Ainda não me expandi para o Porto. Já tentei.

Artigo anterior

Quem foram as primeiras supermodelos?

Próximo artigo

Visita guiada à Quinta da Aveleda